André Dusek/ESTADÃO
André Dusek/ESTADÃO

Lewandowski deixa para relator decidir pedido de indulto de condenados do mensalão

Caberá ao ministro Luís Roberto Barroso, analisar em fevereiro os pedidos do ex-tesoureiro do PT, Delúbio Soares, e do ex-deputado federal Romeu Queiroz (PTB-MG) ao STF no último dia 29

Gustavo Aguiar, O Estado de S.Paulo

05 de janeiro de 2016 | 17h42

BRASÍLIA - O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, decidiu encaminhar ao ministro relator, Luís Roberto Barroso, os pedidos de indulto feitos pelo ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares e pelo ex-deputado federal Romeu Queiroz (PTB-MG), condenados no mensalão. Como ambos já estão em liberdade, o ministro avaliou que a questão não é urgente, e não cabe ao ministro-presidente decidir sobre o assunto durante o recesso do Judiciário.

Barroso deverá decidir sobre o assunto só depois de 1º de fevereiro, quando termina o recesso do Judiciário. Os advogados dos condenados protocolaram o pedido em 29 de dezembro, cinco dias depois de o decreto presidencial do indulto de Natal ter sido publicado no Diário Oficial da União.

Além de Delúbio e de Queiroz, o ex-deputado petista João Paulo Cunha e o ex-advogado de Marcos Valério Rogério Tolentino também fizeram o pedido ao STF. No último dia 30, Lewandowski deu despacho semelhante no caso de Tolentino.

A presidente Dilma Rousseff publicou na véspera de Natal, como acontece em todos os anos, o decreto que concede o indulto natalino a todos os presos do País que se enquadrem em pré-requisitos específicos. O benefício oferece perdão de alguns crimes desde que, entre outros critérios, os presos já tenham cumprido um tempo determinado da pena.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.