Lewandowski não comenta repasse do FPE a Estados

O presidente em exercício do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, não quis fazer nenhum comentário a respeito da decisão do governo federal de fazer o repasse de uma parcela do Fundo de Participação dos Estados (FPE), mesmo sem nenhuma norma que oriente a ação, visto que a lei que regulamentava a transferência foi extinta no dia 31 de dezembro.

FELIPE RECONDO E JOÃO VILLAVERDE, Agência Estado

18 de janeiro de 2013 | 19h05

O governo, no entanto, fez a defesa de sua decisão. E sustentou que a manutenção dos repasses do Fundo de Participação dos Estados (FPE) na própria Constituição. O artigo 160 do texto veda a "retenção ou qualquer restrição à entrega" dos recursos fiscais do fundo.

De acordo com uma fonte do alto escalão do governo, não cabe ao Supremo Tribunal Federal (STF) decidir se a União pode ou não manter os repasses. Em tese, o STF deve conhecer a Constituição, afirmou o funcionário do governo.

Alguns ministros do Supremo chegaram a sugerir que o repasse dos recursos poderia ser considerado crime de responsabilidade, mas o governo refuta essa possibilidade. Ninguém pode ser criminalizado por cumprir a Constituição. Se o Congresso não seguiu o prazo do Supremo, este é um problema dos dois Poderes. À União cabe manter os Estados respirando", afirmou ainda o servidor do Executivo.

Tudo o que sabemos sobre:
STFFPELewandowski

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.