André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Lewandowski determina que 1ª testemunha de acusação seja ouvida como informante

Presidente do STF aceitou pedido da defesa de Dilma, que alegou que Júlio Marcelo de Oliveira atuara como 'militante político' da causa; informações prestadas por ele não valerão como provas para a instrução do processo

Ricardo Brito, Igor Gadelha, Isadora Peron e Fabio Fabrini, O Estado de S.Paulo

25 de agosto de 2016 | 15h51

BRASÍLIA - O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, aceitou pedido feito pela defesa da presidente afastada, Dilma Rousseff, para declarar impedido de participar como testemunha de acusação o procurador do Ministério Público junto Tribunal de Contas da União (TCU) Júlio Marcelo de Oliveira. Lewandowski decidiu, contudo, garantir que o procurador do TCU participe do julgamento do processo de impeachment como informante.

Na prática, isso significa que todas as informações que Oliveira prestar durante o depoimento desta quinta não valerão como provas para a instrução do processo.

O advogado José Eduardo Cardozo, defensor de Dilma, havia pedido a suspeição de Oliveira ao dizer que ele atuara como “militante político” da causa ao ter convocado, por meio de uma página pessoal em uma rede social, um ato em favor do processo de impeachment. O advogado de Dilma acusou-o de ter se reunido com “denunciantes” do processo.

Uma das autoras do pedido de impeachment, a advogada Janaina Paschoal reclamou de Cardozo ao chamar de “infâmia” essa suposta reunião entre os denunciantes. E reclamou da acusação “muito grave” que fora feita. “O senhor tenha mais cuidado”, disse Janaina.

Em rápida fala antes de começar seu depoimento, o procurador negou que tenha se reunido com parlamentares ou autores do pedido de impeachment. Segundo ele, sua participação no processo aconteceu apenas nas vezes em que foi convidado ou intimado a comparecer ao Senado. “Minha atuação profissional é restrita ao TCU”, disse.

Oliveira afirmou ainda que suas declarações públicas sobre a “legalidade” do processo de impeachment são “adequadas” dentro do regime democrático. “Para que não tenhamos uma sociedade e que apenas os advogados possam falar e defender suas teses”, afirmou. Segundo ele, é importante para a sociedade que o MP explique seus posicionamentos.

Em sua decisão, Lewandowski acolheu o pedido de dispensar Oliveira como testemunha ao argumentar que ele participou de atos em favor do impeachment. Mas ele usou a legislação processual para permitir que ele participasse do processo como informante.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.