André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Lewandowski aceita que julgamento do impeachment comece em 25 de agosto

Responsável pelo processo no Senado, presidente do Senado havia divulgado nota em que previa votação no dia 29

Fábio Fabrini e Isabela Bonfim / Brasiília, O Estado de S. Paulo

09 Agosto 2016 | 21h51

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, concorda em iniciar o julgamento do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff no dia 25 de agosto, caso o Senado aprove o prosseguimento do processo e seja possível cumprir os prazos processuais previstos até lá, de acordo com fontes próximas ao ministro. A data é tida como ideal pela base do presidente em exercício Michel Temer, que trabalha para um desfecho o mais rápido possível. O presidente do Supremo é responsável pela condução do julgamento no Senado.

Anteriormente, a assessoria do STF havia divulgado nota afirmando que, possivelmente, o início do julgamento seria dia 29 de agosto.

O ministro só vai oficializar a data do julgamento após a confirmação do prosseguimento do processo de impeachment, que deve ser votado entre a noite desta terça-feira e a madrugada de quarta.

A partir disso, a acusação será imediatamente notificada para apresentar seus argumentos em 48 horas. Os defensores do afastamento de Dilma, no entanto, já anunciaram que vão entregar o documento às 13h de quarta-feira. 10.

O adiantamento da entrega das alegações da acusação permite que o julgamento seja adiantado para 25 de agosto, uma quinta-feira, sem prejuízo para os prazos legais. Lewandowski já informou que não concorda com sessões durante os finais de semana.

A data agrada a base de Temer, que quer garantir que o julgamento, que pode durar uma semana, se encerre até o fim de agosto, para que o peemedebista participe da reunião do G20, que acontece na China entre 4 e 5 de setembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.