Levy Fidelix diz que Bolsonaro será muito bem aceito no PRTB

Parlamentar pediu desfiliação do PP alegando que os 'sonhos' políticos dele não cabem no partido

Igor Gadelha, O Estado de S. Paulo

15 Abril 2015 | 17h36

São Paulo - O ex-candidato do PRTB à presidência da República, Levy Fidelix, afirmou em seu site na internet que o deputado federal Jair Bolsonaro (RJ) será "muito bem aceito" no partido. Segundo o jornal O Globo, Bolsonaro teria sido cortejado por partidos nanicos, como PTC e PRTB, após pedir a desfiliação do PP durante a convenção nacional do partido realizada nessa terça-feira, 14, em Brasília.

"Bolsonaro e toda a sua família serão muito bem vindos ao PRTB. Tanto ele quanto seus filhos são homens corretos, íntegros e honestos e suas posições políticas e pessoais visam sempre o bem estar da família tradicional brasileira. O nosso partido tem em suas principais diretrizes a defesa da Família e da Pátria e, por isso, tenho certeza que toda a família Bolsonaro seriam de enorme valor ao nosso partido", afirmou Fidelix em seu site.

Bolsonaro pediu desfiliação do PP alegando que os "sonhos" políticos dele não cabem no partido. Ele se referia ao desejo de ser candidato à Presidência da República em 2018. O parlamentar fez críticas ao partido - a legenda possui o maior número de políticos investigados na Operação Lava Jato, que apura atos de corrupção na Petrobras. Ao todo, 30 integrantes do partido estão sendo investigados. O PP decidiu reconduzir Ciro Nogueira (PI), um dos investigados, à presidência da sigla.

Homofobia. Tanto Bolsonaro quanto Fidelix foram condenados recentemente por declarações homofóbicas. O primeiro terá de indenizar em R$ 150 mil o Fundo de Defesa dos Direitos Difusos por falas consideradas preconceituosas no programa CQC, da TV Bandeirantes, em 2011. Já Fidelix deverá pagar R$ 1 milhão por discurso homofóbico durante debate na TV na campanha eleitoral do ano passado. Ambos afirmam que recorreram das decisões.

Mais conteúdo sobre:
Jair BolsonaroLevy Fidelix

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.