Levy diz que faz de tudo para pagar servidores dia 10

O secretário de Fazenda do Rio, Joaquim Levy, disse que está fazendo todos os esforços para que no dia 10 o Estado tenha recursos necessários para pagar o funcionalismo. Segundo ele, uma série de ações adotadas pela ex-governadora Rosinha Garotinho está afetando as receitas do início do ano. Ele acha inexplicável que o Estado, que teve aumento nos repasses dos royalties do petróleo nos últimos anos, não tenha sobra de caixa. "É surpreendente que o Estado esteja numa situação que não seja de folga muito grande com o aumento de receita, particularmente do petróleo, que mais do que duplicou nos últimos anos. Estamos estudando alternativas para efetuar os pagamentos", disse.O secretário lembra que além do aumento dos royalties, o governo de Rosinha contou com outra ajuda do Governo Federal. "O presidente Lula, com o aval do Ministério da Fazenda, sancionou a lei que permitiu aos governos utilizarem uma fração maior dos depósitos compulsórios. Com isto criaram recursos de caixa adicionais no final do governo passado", explicou.Para ele, não houve falta de recursos, mas má gestão. Levy citou como exemplo o que o governador Sérgio Cabral (PMDB) descobriu na recente visita ao Hospital Albert Schweitzer. "O hospital estava cheio de máquina empacotada. Está lá o remédio estragando, pegando chuva. Gastaram o dinheiro de cada um de nós para comprar um negócio que não está funcionando. Esta que é a grande questão", disse, informando ainda que não havia controle sobre as compras: "Não tem programação, o gasto sai assim ´pingadinho´ sem ninguém saber muito bem como é", explicou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.