Lessa se diz confiante sobre aprovação de candidatura

O ex-governador e candidato ao governo de Alagoas, Ronaldo Lessa (PDT), disse hoje que está confiante no sucesso do recurso que impetrou no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para tentar derrubar a decisão do Tribunal Regional Eleitoral de Alagoas (TRE-AL) que o considerou inelegível, com base na Lei da Ficha Lima. "Acredito que daqui para amanhã teremos uma boa notícia. Afinal, esta situação em Alagoas tem que ser revista", afirmou Lessa, em entrevista à Rádio Educativa FM, que vem sabatinando os candidatos ao governo de Alagoas. Lessa foi o quinto candidato. Seus principais adversários - o governador Teotônio Vilela Filho (PSDB) e o senador Fernando Collor (PTB) - já foram sabatinados. O último a ser entrevistado é o candidato Mário Agra (PSOL).

RICARDO RODRIGUES, Agência Estado

17 de agosto de 2010 | 20h37

Durante a entrevista, Lessa foi enfático ao dizer que o "inferno astral" provocado pela impugnação da sua candidatura já passou. "A campanha continua firme e forte, tranquila e com boas perspectivas", afirmou Lessa, que não se considera um "ficha suja". "Os verdadeiros bandidos permanecem impunes, enquanto eu estou sendo punido por ter dado aumento aos servidores da Educação", disse.

A candidatura de Lessa foi impugnada, com base na Lei da Ficha Limpa, porque ele havia sido condenado pelo TRE-AL, acusado de abuso de poder político e econômico. O crime eleitoral teria sido cometido quando Lessa era governador do Estado e participou de uma reunião com servidores públicos, em que pediu o apoio à candidatura de Alberto Sextafeira (PSB), à prefeitura de Maceió, nas eleições municipais de 2004.

O candidato de Lessa perdeu a eleição para o prefeito Cícero Almeida (PP), mas elegeu-se deputado estadual em 2006. Este ano, quando se preparava para a reeleição, Sextafeira teve o registro da sua candidatura impugnado pelo TER-AL. Ele também recorreu da decisão e aguarda uma posição do TSE. Enquanto a decisão não sai, continua sua campanha, desta vez do lado oposto ao de Lessa. Como líder no governo na Assembleia, Sextafeira apoia a candidatura de Vilela.

Campanha

Lessa é o candidato da Frente Popular, formada por sete partidos: PDT, PT, PMDB, PCdoB, PR, PTdoB e PRP. O ex-governador conta com o apoio "oficial" do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e faz campanha para a candidata petista Dilma Rousseff. Na coligação de Lessa, são candidatos ao Senado o senador Renan Calheiros (PMDB e o ex-deputado federal Eduardo Bomfim (PCdoB). Durante a entrevista, Lessa não poupou críticas ao governador Teotônio Vilela e ao senador Fernando Collor.

"Um quebrou o Estado quando fez o acordo dos usineiros, e o outro está acabando com o funcionalismo, que está com quatro anos sem reajuste salarial. O reajuste que tinha fui eu quem dei e mesmo assim ele cortou no início do governo dele, para devolver depois em doses homeopáticas", afirmou Lessa, referindo-se à Collor e a Vilela, que são seus dos principais adversários ao governo de Alagoas.

Lessa lembrou que sua candidatura nasceu de um apelo do presidente Lula, reforçado por Dilma Rousseff. Até então, ele era candidato ao Senado e não participava do comando do "chapão" - um grupo de partidos que articulou a coligação Frente Popular. "Nunca me senti candidato pelo chapão. Só aceitei minha candidatura ao governo depois de muita discussão e da conversa que eu tive com o presidente Lula e com a ex-ministra Dilma. Mas hoje estou nisso para representar o povo alagoano e não as elites, como fazem os demais candidatos. Estou nessa luta para impedir que Alagoas continue do jeito que está".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.