Lerner afasta reitor da Universidade de Londrina

O governador do Paraná, Jaime Lerner (PFL), afastou o reitor da Universidade Estadual de Londrina (UEL), Jackson Proença. Ele é acusado pelo Conselho Universitário de irregularidades administrativas. "Ainda não há conclusão por parte do processo administrativo, que apura as denúncias, mas é notório que se instalou uma crise institucional muito séria", justificou o secretário de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Ramiro Wahrhaftig. Quarta-feira, o conselho universitário tinha votado o afastamento de Proença, nomeando o professor Pedro Gordan, presidente do Centro de Ciências da Saúde, como reitor interino. O reitor havia prometido contestar o ato na Justiça. Na mesma reunião, o vice-reitor Mauro Ticianelli, que não foi citado nas denúncias, alegou "princípio de coerência" e renunciou ao cargo. Além de anteciparem 10 meses a saída do reitor, o secretário pediu ao decano do conselho universitário, Newton Expedito, que apresente ao governador uma lista sêxtupla com nomes indicados para ocupar, por 120 dias, os cargos de reitor e vice-reitor da UEL. A lista deve ser entregue na segunda-feira. O Conselho também deve iniciar o processo sucessório, convocando eleições, que devem acontecer entre o fim de novembro e início de dezembro. A Comissão especial do Conselho Universitário fez um relatório com cerca de 700 páginas, apontando irregularidades que teriam sido cometidas pelo reitor afastado. Entre elas, nepotismo, distribuição indiscriminada de funções gratificadas, processos licitatórios viciados, uso indevido de recursos, despesas irregulares com viagens e superfaturamento em obras. O reitor afastado não foi encontrado hoje. Quando da divulgação do relatório, ele rebateu as denúncias afirmando que o documento é "tendencioso" e que os cálculos realizados não estão corretos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.