Lentidão do Judiciário 'é um mito', diz Mendes

Presidente do STF disse que o Judiciário tem feito esforço para ser mais ágil, eficiente e acessível à população

Fabio Graner e Carol Pires, da Agência Estado,

02 de fevereiro de 2010 | 12h29

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, afirmou nesta terça-feira, 2, em discurso feito no Congresso Nacional, que a morosidade do Judiciário "é um mito" e que a lentidão mencionada pelos críticos é "pontual e concentrada". Na solenidade de abertura dos trabalhos deste ano do Legislativo, Mendes disse que o Judiciário tem feito esforço para ser mais ágil, eficiente e acessível à população e que esse é o caminho que continuará sendo seguido.

 

Veja também:

link Congresso Nacional inicia as atividades de 2010

link Lula exalta papel do Congresso durante crise financeira

link No Congresso, Lula elogia missão do Brasil no Haiti

link Alencar elogia Lula, fala do câncer e é aplaudido de pé

O presidente do STF mencionou números referentes a ações do Judiciário, como a liberação de 18 mil pessoas que estavam presas impropriamente. Esse total significa que 35 prisões indevidas foram revertidas por dia.

Na mesma solenidade, o presidente da Câmara, deputado Michel Temer (PMDB-SP), falou da importância de prevalecer a harmonia entre os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. "Nos regimes autoritários, se destaca muito a independência. Já no regime democrático, prevalece a harmonia entre os Poderes", afirmou.

O deputado contou, em função do momento que vive o País, que sente "alegria cívica" em presidir a Câmara. Ressaltou que o Brasil vive um momento de implantação definitiva da democracia, o que rompe a tendência do País de viver ciclos de 20 a 30 anos de alternância entre regimes autoritários e governos democráticos.

O vice-presidente da República, José Alencar, presente à cerimônia, foi elogiado por Temer no discurso e aplaudido efusivamente pelos parlamentares. Muitos dos que estavam sentados se levantaram neste momento. Alencar, descontraído, também se levantou e agradeceu os aplausos e erguendo o braço.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.