Leia a íntegra do diálogo em que cúpula do Turismo articula liberação de emenda

Gravação da PF mostra conversa entre Colbert Martins e Frederico Silva Costa, ambos presos, para segurar recursos de deputado envolvido em escândalo dos Transportes

11 de agosto de 2011 | 11h12

Uma gravação telefônica feita pela Polícia Federal no dia 22 de julho deste ano mostra que a cúpula do Ministério do Turismo articulou para segurar por alguns dias a liberação de uma emenda parlamentar do deputado Marcelo Castro (PMDB-PI) com o objetivo de protegê-lo já que seu nome havia aparecido no noticiário do escândalo de corrupção nos Transportes. Leia abaixo a conversa na íntegra:

 

FREDERICO: Oi, Colbert!

COLBERT: Oi, Fred, desculpe ter interrompido você agora, fui chamado para falar aqui,

FREDERICO: Não, eu vi a reportagem ontem, você tá falando daquela do Marcelo Carvalho?

COLBERT: Isso, isso, Marcelo Castro.

FREDERICO: Mas é o Marcelo Castro deputado federal?

COLBERT: É sim. Tem uma determinação de pagamento lá, uma ordem de serviço, que eu quero segurar um pouco para combinar com você e com o Ministro, tá na hora de soltar aquilo ou deixa para segunda-feira?

FREDERICO: Mas como assim, ordem de serviço dele?

COLBERT: Não, pagamento dele, emenda dele.

FREDERICO: Ah, emenda dele?

COLBERT: Emenda dele.

FREDERICO: Não, manda pagar, quem fiscaliza isso na ponta é a Caixa.

COLBERT: É não, eu sei, eu tô lhe falando isso porque como tá, daqui a pouco a gente dá uma liberação em cima de uma denúncia daquelas... você não vê problemas não, né?

FREDERICO: Não, eu não vejo problema nenhum de fazer isso. Agora vou falar para você, você conhece ele melhor que eu...

COLBERT: Conheço, conheço muito, conheço muito, [inaudível] o envolvimento que colocaram. O que eu somente tive cuidado, se for o caso, de fazer segunda-feira sem nenhuma dificuldade maior, tirar do foco hoje, porque sai um negócio desse tipo, dá uma impressão de que saiu em cima, sem nada, enfim.

FREDERICO: Não, só faz um negócio, só combina com ele, dá uma ligada pra ele, ele é teu amigo, pô.

COLBERT: É, vou avisar ele.

FREDERICO: Fala assim: você se incomoda se for terça ou quarta-feira da semana que vem.

COLBERT: É, vou falar pra ele que tá pronto pra sair, agora eu acho que a prudência manda que você esfrie o assunto, né? Eu libero

FREDERICO: Claro, claro.

COLBERT: Só não libera, porque não tem diferença, eu vou assinar, eu já mandei assinar e mandei sair, somente que eu acho que o dia de empenhar não é bom hoje não, dava um tempinho, passava um pouco e resolvia isso com mais tranquilidade.

FREDERICO: O dia você tá falando o dia do pagamento, né?

COLBERT: É o pagamento, o pagamento [inaudível] tudo.

FREDERICO: Só combina com ele, eu acho que você falando com ele, explicando, eu acho que não tem nenhum problema não.

COLBERT: Ok, ok.

FREDERICO: Não custa nada, demonstra um carinho de sua parte.

COLBERT: É, não , vou seguir essa orientação ai. Tá legal.

FREDERICO: Tá bom?

COLBERT: Tá bom, brigado.

FREDERICO: Ok, um abraço pra você, tchau, tchau.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.