Leia a íntegra da nota contrária à reeleição de Aníbal

O líder do PSDB, deputado José Aníbal (SP), foi reeleito nesta quarta-feira, 4, para ocupar o cargo por mais um ano. Foram 36 votos a favor da recondução do tucano e um nulo. Outros 20 deputados da bancada tucana não apareceram para votar, em represália ao que chamaram de "golpe" dado por Aníbal. Os deputados dissidentes alegam que o estatuto do PSDB não permitia duas reeleições consecutivas e que as regras foram mudadas na véspera da eleição. "Mudar as regras 12 horas antes da eleição, é claro que é golpe", afirmou o deputado Vanderlei Macris (SP), um dos contrários à reeleição de Aníbal.   Deputados contrários à reeleição de Aníbal apresentaram um texto na Câmara contestando a decisão.     Leia a íntegra do texto:   Movimento Unidade, Democracia e Ética   A atitude golpista e antidemocrática da liderança do PSDB na Câmara dos Deputados levou à dissidência um grupo expressivo de deputados e à formação do Movimento Unidade, Democracia e Ética na bancada do partido. O ato, típico de regimes autoritários, foi materializado em reunião convocada para a noite anterior à eleição do líder, com o intuito nefasto de alterar as regras e permitir a reeleição consecutiva, o que era vedado explicitamente desde 2003. Além disso, a norma que interditava a reeleição havia sido ratificada pela bancada, por unanimidade, no dia 15 de outubro de 2008. Além de ferir os princípios da boa convivência e da manutenção da palavra na política, a mudança na véspera das eleições é inaceitável para um tucano que tenha ética e respeito ao estatuto do partido. A história da criação do PSDB está profundamente marcada pela reação a práticas similares de formação de maiorias eventuais, ao atropelo das normas partidárias e dos direitos das minorias. Atitudes que, infelizmente, têm marcado a vida partidária brasileira. No programa do PSDB está escrito: "Não haverá delegados permanentes – outra fonte de aliciamento e fisiologismo que desvirtua a democracia interna. A alternância dos dirigentes e o princípio da direção colegiada serão observados em todos os níveis". Não há argumentos aceitáveis para excluir desse enunciado a eleição do líder do partido na Câmara dos Deputados. O Movimento Unidade, Democracia e Ética congrega deputados que buscarão atuar de forma coordenada no trabalho parlamentar, pautando-se sempre pelos princípios programáticos do PSDB, e não seguirão a orientação do atual líder da bancada por considerar ilegítima a sua eleição.   Brasília, 4 de fevereiro de 2009   Dep. Antônio C. Pannunzio Dep. Arnaldo Madeira Dep. Carlos Alberto Leréia Dep. Carlos Brandão Dep. Emanuel Fernandes Dep. Fernando Chucre Dep. Gustavo Fruet Dep. João Almeida Dep. Julio Semeghini Dep. Jutahy Magalhães Dep. Leonardo Vilela Dep. Luiz Paulo Vellozo Lucas Dep. Mendes Thame Dep. Nilson Pinto Dep. Paulo Renato Souza Dep. Ricardo Trípoli Dep. Vanderlei Macris Dep. Walter Feldman Dep. Zenaldo Coutinho

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.