Leia a discussão entre Renan e Mercadante

Em meio ao bate-boca, Renan Calheiros deixa o plenário do Senado

09 Outubro 2007 | 21h44

O Sr. Aloizio Mercadante (Bloco/PT - SP) - Um aparte também, Senador Renan Calheiros. O SR. RENAN CALHEIROS (PMDB - AL) - Eu já estou encerrando o meu tempo e não vou conceder aparte para, exatamente, não fazer o que eu preveni no início, que é fazer desta minha comunicação necessária e insubstituível à Casa, um debate. O Sr. Aloizio Mercadante (Bloco/PT - SP) - Não quero fazer um debate, Senador Renan, mas queria expressar a V. Exª o meu sentimento mais profundo de tudo isso que V. Exª passa e esta Casa atravessa em vista de toda a convivência que temos, ao longo desses mais de quatro anos, quase cinco anos de convivência. Uma questão que eu queria chamar atenção é que todas as denúncias preliminares não diziam respeito ao mandato de V. Exª neste plenário ou nessa Presidência, mas a relações pessoais, fatos ocorridos fora daqui, em Alagoas, e essa era uma percepção, eu diria, de todos os Senadores e Senadoras. V. Exª foi reeleito como Presidente do Senado exatamente pelo trabalho, pelo mandato, pela capacidade de articulação, de diálogo, pela história política. Mas estamos vivendo uma situação institucional inaceitável para esta instituição republicana, que tem 180 anos... O SR. RENAN CALHEIROS (PMDB - AL) - Mas inaceitável do ponto de vista da denúncia. O Sr. Aloizio Mercadante (Bloco/PT - SP) - Deixe-me concluir, Senador Renan. Inaceitável... O SR. RENAN CALHEIROS (PMDB - AL) - V. Exª me conhece muito bem e sabe que abomino essa prática. A minha formação política não autorizaria que isso jamais acontecesse. O Sr. Aloizio Mercadante (Bloco/PT - SP) - Mas, Senador Renan, quando V. Exª diz assim: "Eu não posso ser linchado publicamente", eu concordo. E o tempo da notícia não é o tempo da Justiça. A Justiça tem procedimentos, direito de defesa, o devido processo legal, as garantias individuais, mas ela tem que se fazer. E, para que a justiça possa ser feita plenamente, esta Casa deu um voto de confiança para que V. Exª pudesse se defender até o último processo. Mas, à medida que V. Exª, depois daquela decisão... Eu, na realidade, sugeri isto a V. Exª antes da votação. V. Exª se lembra, na véspera, eu liguei para V. Exª e falei: "Senador Renan, o senhor deveria se afastar da Presidência do Senado no momento da votação". E V. Exª falou: "Eu vou me fragilizar; não posso fazer isso. Mas aceito discutir essa possibilidade após a decisão..." O SR. RENAN CALHEIROS (PMDB - AL) - Senador Aloizio, eu, infelizmente, vou encerrar o meu discurso e abstenho-me de comentar o aparte de V. Exª. Abstenho-me de comentar o aparte de V. Exª. (O Senador Renan Calheiros retira-se da tribuna.) O Sr. Aloizio Mercadante (Bloco/PT - SP) - Senador Renan, V. Exª pode se abster, mas V. Exª engrandeceria muito mais se continuasse o debate e prestigiasse esta Casa, afastando-se da Presidência do Senado enquanto esse processo tramita. Digo mais, Senador Renan, esse sentimento é o sentimento de Senadores e Senadoras da minha Bancada, que consideram que é imprescindível que isso aconteça para preservar esta instituição. E, pela nossa relação e pela atitude que tive, não merecia a atitude que V. Exª teve. O SR. RENAN CALHEIROS (PMDB - AL) - Eu me abstenho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.