Lei estimula contratação de negros

A partir da próxima semana, todas as empresas que prestam serviços para orgãos federais do País terão que reservar 20% de suas vagas para negros. No dia 19, o presidente Fernando Henrique Cardoso vai sancionar a lei que estabelece essa nova regra da administração pública, uma prática que já é adotada pelo ministro do Desenvolvimento Agrário, Raul Jungmann. Apesar de o País ter hoje uma das maiores populações negras do mundo, somente 5% estão em funções de relevância no mercado de trabalho. Ainda este mês, os negros também poderão ter uma nova vitória: a Câmara dos Deputados pode votar uma lei que estabelece cota para garantir a presença de artistas negros também na televisão. Foi depois da experiência positiva adotada por Jungmann que o governo resolveu estender a medida a outros ministérios. O da Justiça, que também havia tomado outra iniciativa importante, de empregar presidiários de bom comportamento, deverá ser o segundo a contratar negros. Em seguida, a medida deverá ser expandida para toda a administração, mas o processo será gradativo. Na semana passada, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio de Mello, adotou a mesma medida na Corte. Dos 20 novos servidores para o setor de comunicação, 4 deverão ser obrigatoriamente negros. Caberá ao recém-criado Conselho Nacional de Combate à Discriminação fiscalizar a adoção de cotas. Na discussão do projeto que tratava do assunto, no Senado, entidades ligadas ao setor ainda tentaram aumentar a abrangência da lei, considerada por alguns setores jurídicos como inconstitucional. Os técnicos argumentaram que a implantação de uma reserva de mercado para deficientes físicos existe no País e nunca foi contestada. Para o governo brasileiro, a adoção de cotas para negros seria uma espécie de compensação pelas desigualdades existentes no mercado de trabalho, favorável aos brancos. Hoje, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), os negros têm uma remuneração média de cerca de 49% inferior aos brancos. Além disso, conforme estudos do Ipea, o alto índice de desempregos entre negros é derivado da baixa escolaridade da raça, que hoje é de 50% inferior à raça branca. TelevisãoJá aprovado pela Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara, outro projeto que poderá causar polêmica é o que implanta cotas também para a participação de atores negros na televisão e peças publicitárias. Na TV a exigência é a de que programas e filmes terão que ter 25% de negros, enquanto que em anúncios, o mínimo exigido seria de 40%. A proposta, do deputado Paulo Paim (PT-RS), está tramitando há quase dois anos na Câmara e sua discussão poderá terminar ainda em 2001. Na terça-feira, a Comissão Especial do Estatuto da Igualdade Racial da Câmara vai convocar a triatleta Cláudia Lúcia, uma das integrantes do programa "No Limite", que declarou que jamais deixaria sua filha casar com um negro. Os deputados querem questionar em uma audiência pública as afirmações de Cláudia, feitas no dia 18 de novembro. A Comissão deverá convocar também um representante da produção do programa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.