Legalização das centrais sindicais deve sair até 1º de maio

A regulamentação das centrais sindicais, uma das principais demandas dos trabalhadores organizados, deve ser anunciada no final deste mês, próximo à comemoração do dia do Trabalho, em 1º de maio. A expectativa é fruto da reunião entre o ministro do Trabalho, Carlos Lupi (PDT), e representantes das sete centrais nesta quinta-feira, 19. Um novo encontro foi marcado para a próxima quarta-feira para detalhar o debate sobre a regulamentação. "Se tiver acordo na quarta-feira não tem dificuldade. A medida provisória está pronta e é só acertar pontos de divergência", disse Quintino Severo, secretário-geral da Central Única dos Trabalhadores (CUT), após a primeira conversa com Lupi, que assumiu a pasta há menos de um mês. Em maio do ano passado, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou a editar uma medida provisória reconhecendo as centrais, mas não conseguiu nem que o Congresso votasse a medida, que acabou caducando. Os termos desta MP devem ser reaproveitados agora. "É a bandeira que estamos trabalhando para a festa de 1º de maio", disse João Carlos Gonçalves, o Juruna, secretário-geral da Força Sindical. Desta vez, os sindicalistas apostam em maior unidade entre as centrais e uma base parlamentar governista mais forte. Com a regulamentação, as centrais vão poder participar de negociações de forma legal e arrecadar recursos do imposto sindical. Hoje, 60% da contribuição sindical fica com os sindicatos; 15%, com as federações e 5% com as confederações. Para o Ministério do Trabalho, 20%. De acordo com a Força Sindical, a proposta das entidades é deslocar 10% da parte do ministério para as centrais. Hoje os recursos das centrais vêm das mensalidades dos filiados aos sindicatos. "Se preciso, vamos levar até o dia todo para encontrar uma forma eficiente e permanente para a regulamentação das centrais", disse Lupi sobre o próximo encontro. A CUT, a mais antiga central, que teve o presidente Lula entre seus fundadores, foi criada em 1983.

Agencia Estado,

19 Abril 2007 | 20h34

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.