Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

'Legal ou ilegal, o problema é ser propina', diz Alckmin

Governador de São Paulo defende tese do Supremo de que doação justificada pode indicar origem ilícita

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

09 Março 2017 | 13h20

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), defendeu a criminalização de propinas doadas a políticos em campanhas eleitorais "disfarçadas" de doações legais aprovadas pela Justiça Eleitoral. A declaração demonstra concordância com decisão do Supremo Tribunal Federal de tornar réu esta semana o senador Valdir Raupp (PMDB-RO) por receber doação legal de R$ 500 mil "disfarçada" de propina. O partido do governador tem nomes citados em delação de ex-executivo da Odebrecht como beneficiários de propinas por meio de caixa 2.

A decisão do STF de aceitar a denúncia oferecida pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra Raupp (PMDB-RO) pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro preocupa os bastidores do poder. Parlamentares acusam o STF de querer "criminalizar" as doações legais. "O problema não é ser legal nesse caso. Legal ou ilegal, o problema é ser propina", disse o governador tucano em coletiva de imprensa, após uma cerimônia para apresentar mudanças no programa da Nota Fiscal Paulista, no Palácio dos Bandeirantes. "Independente de ter tido doação ou não, se você teve propina é evidente que isso é crime", declarou.

Paulo Preto. O governador disse ainda que não tem "nenhuma" preocupação sobre a possibilidade de o ex-diretor da Desenvolvimento Rodoviário S/A (Dersa) Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, fechar acordo de delação com o Ministério Público Federal. O nome de Paulo Preto é citado pelo operador financeiro Adir Assad, que propôs um acordo de delação premiada à Lava Jato no qual afirma ter repassado cerca de R$ 100 milhões para o ex-diretor da Dersa, entre 2007 e 2010, na gestão José Serra (PSDB) no governo de São Paulo. 

"Na minha gestão, ele não ocupou nenhum cargo de direção. Foi funcionário", disse Alckmin.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.