Laudo de perito inocenta ex-ministro Silas Rondeau

Laudo feito pelo perito Ricardo Molina, professor da Universidade de Campinas (Unicamp) contesta a versão da Polícia Federal na Operação Navalha de que o ex-assessor do Ministério das Minas e Energia Ivo Almeida Costa teria recebido um envelope com R$ 100 mil da diretora da Gautama, empresa pivô do esquema, em troca de liberação de obras na pasta, segundo reportagem do Jornal Nacional, neste sábado 7. Segundo Molina, o envelope em questão - que Costa aparece carregando em imagens de circuito interno do ministério - não poderia conter os R$ 100 mil, uma vez que o volume de tal quantia seria visível. Ainda de acordo com o documento produzido pelo perito, o ex-assessor carrega uma folha de papel, e não um envelope com tantas cédulas. A Operação Navalha foi desencadeada em 17 de maio e investiga uma quadrilha que fraudava licitações de obras do governo, incluindo projetos do Programa Luz Para Todos, do Ministério das Minas e Energia. Segundo a PF, de 2003 a 2006, o esquema movimentou R$ 170 milhões. Com as suspeitas, Silas Rondeau - o ministro à época - afastou o seu assessor. E em seguida pediu demissão do cargo sob a acusação de ser o beneficiário dos R$ 100 mil da Gautama. Ele nega as acusações e Lula cogita a hipótese de reconduzi-lo ao cargo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.