Laudo da UnB sobre Genoino não vai influenciar decisão da Câmara, diz Alves

Parecer de médicos da Universidade de Brasília indica que o ex-deputado, que se recupera na casa da filha, não precisa cumprir pena em prisão domiciliar

Erich Decat , O Estado de S. Paulo

26 de novembro de 2013 | 22h17

BRASÍLIA - O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), descartou nesta terça-feira, 26, a possibilidade de o laudo expedido por médicos da Universidade de Brasília (UnB) sobre o quadro de saúde do deputado licenciado José Genoino (PT-SP) influenciar o que deve ser preparado pela junta médica da Casa.

Laudo feito por médicos UnB, cujo resultado foi divulgado nesta terça, indica que Genoino não precisa ficar em prisão domiciliar para cuidar de sua doença cardíaca. O ex-presidente do PT foi submetido a uma cirurgia cardíaca no final de julho e após ficar custodiado no Complexo da Papuda, chegou a ser internado com suspeita de infarte. Quando teve alta médica, no último domingo, foi encaminhado para recuperação na casa da filha.

Em nove páginas, o laudo da UnB solicitado pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, diz que Genoino é "portador de cardiopatia que não se caracteriza como grave".

No caso da Câmara, um segundo laudo deve ser apresentado por uma junta médica composta por quatro servidores, que avalia o pedido de aposentadoria por invalidez feito pelo petista em setembro.

Questionado sobre a influência do laudo da UNB, Henrique Eduardo Alves respondeu: "Não, não. O que sei é que a junta médica que esteve hoje (esta terça) com ele fez o exame clínico, recolheu uma série de exames, em grande quantidade, muitos processos, muitos papeis e realizados no hospital."

A previsão de Alves é que o laudo da Câmara seja apresentado nesta quarta-feira, 27, em uma coletiva de imprensa. "Não estou com pressa, estou pedindo qualidade e responsabilidade nesta decisão que diz respeito a vida de uma pessoa", afirmou.

Na ocasião, o grupo de servidores deve apresentar um parecer em que pode constar as seguintes possibilidades: conclusão pela invalidez de Genoino; conclusão de que não há um quadro de invalidez; e conclusão de que não há elementos suficientes para se dar um laudo definitivo neste momento.

Tudo o que sabemos sobre:
mensalãoGenoinosaúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.