Laudo confirma intoxicação de usuários do Celobar

Laudo divulgado pelo Instituto Médico Legal de Goiás comprova que 10 pacientes mortos depois de usarem o contraste radiológico Celobar apresentavam altas doses de intoxicação por bário. Um dos corpos não apresentava contaminação. O superintendente da Polícia Tecno-Científica do Estado de Goiás, Décio Marinho, afirma que o resultado dos exames comprova a conexão entre as mortes e o uso do remédio. Somente em Goiás, há a suspeita de que o Celobar tenha provocado a morte de 21 pessoas e efeitos colaterais graves em 250 pacientes. Marinho informou que foram encontradas concentrações altíssimas de bário nas vísceras analisadas.O superintendente afirmou que a presença do bário demonstra a irregularidade no preparo do contraste radiológico. A empresa fabricante é acusada de ter usado carbonato de bário no preparo do soro. O carbonato, em contato com o ácido clorídrico - presente no estômago - transforma-se em cloreto de bário, um produto altamente tóxico. "Ao chegar no coração, pode provocar fibrilação ventricular e, em último estágio, a morte."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.