Lançamento da coligação de Lindberg no Rio tem tumulto e spray de pimenta

Confusão começou quando fiscais do TRE tentaram impedir a entrada de pessoas não filiadas aos partidos da coligação no evento

Clarissa Thomé, O Estado de S. Paulo

26 Junho 2014 | 20h23

 Rio - O lançamento da coligação Frente Popular, que tem como candidato ao governo do Rio o senador Lindberg Farias (PT), começou com tumulto e chegou a ter lançamento de spray de pimenta para conter militantes que tentavam entrar no Via Show, casa noturna na Baixada Fluminense nesta quinta-feira, 26,. Lindberg não estava no local quando teve início o empurra-empurra.

A confusão começou quando fiscais do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) tentaram impedir a entrada de pessoas que não fossem filiadas aos partidos que integram a coligação (PT, PSB, PV e PCdoB). Os fiscais alegaram que estavam agindo com base em decisão assinada pela juíza Daniela Barbosa, que determinou que o ato tivesse apenas a presença de filiados para evitar que configurasse agenda de campanha antes do prazo legal.

A iniciativa dos fiscais irritou as pessoas que aguardavam para entrar na casa noturna e um grupo forçou as laterais da boate. Nesse momento, houve empurra-empurra e policiais que acompanhavam os fiscais usaram spray de pimenta para conter militantes.

O advogado Raoni Vita, que defende a coligação, negociou a liberação da entrada. Ele alegou que ocorria ali um ato público em recinto fechado, o que está dentro da lei. Os fiscais liberaram a entrada, mas encaminharão relatório para a juíza, que pode decidir pela punição ou não da coligação. Os militantes dos partidos entraram na boate gritando ofensas ao ex-governador Sérgio Cabral.

Em nota, a assessoria da deputada Jandira Feghali (PCdoB) tratou o episódio como tentativa do "TRE de impedir ato de lançamento da coligação". O texto informa que a deputada "lembrou que recentemente o atual governador, Luiz Fernando Pezão, reuniu mais de 60 prefeitos na convenção do seu partido e o TRE não se manifestou. 'Isso é uma agressão política. A guerra política já começou. O ato vai acontecer de qualquer jeito'", diz trecho do texto divulgado. 

Mais conteúdo sobre:
Lindbergh FariasPTEleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.