Lafer diz que suaviza "Lei da Mordaça"

O ministro das Relações Exteriores, Celso Lafer, disse nesta segunda-feira que a circular que disciplina as manifestações públicas dos diplomatas sobre assuntos relativos à política externa brasileira torna flexível uma norma - conhecida como "Lei da Mordaça" - que estava em vigor desde 1996, ao contrário da interpretação dada pela diplomacia. Lafer afirmou que os diplomatas, no exercício da função de Estado, devem manifestar-se de acordo com a política traçada para o País. "Enquanto diplomata, ele não é indivíduo. É agente do Estado, que tem a responsabilidade sobre as matérias relacionadas com a política exterior", disse o chanceler. "Não há restrições para manifestações sobre arte, culinária, etc", completou. Nos dias que se sucederam à publicação da nova circular, a diplomacia fez chegar à imprensa sua insatisfação. O ministro reconhece o movimento e disse que responderá pessoalmente aos e-mails diversos que têm chegado com protestos, para explicar a nova norma, de autoria do secretário-geral, Luiz Felipe Seixas Corrêa. "Até nos Estados Unidos, onde a liberdade de informação é fundamental, no Departamento de Estado quem fala é o porta-voz ou o próprio secretário de Estado", afirmou o chanceler.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.