Felipe Rau/Estadao
Felipe Rau/Estadao

'Lado político é mais forte esse ano', diz Juruna, da Força Sindical

Dirigente diz que em ato do Dia do Trabalho orientação é não votar em políticos que votaram a favor da reforma trabalhista

Paula Reverbel, O Estado de S.Paulo

01 de maio de 2018 | 10h45

Com forte enfoque nas eleições deste ano, o ato da Força Sindical do 1º de maio, na Praça Campo de Bagatelle, quer orientar as pessoas a não votarem em políticos que contribuíram para a aprovação da reforma trabalhista.

"É mais forte (o componente político) esse ano porque estamos com 13 milhões de desempregados", disse João Carlos Gonçalves, o Juruna, secretário-geral da Força Sindical. "O voto nulo e branco está muito alto agora e esse é o caminho errado", acrescentou. 

+ Sem verba do imposto sindical, centrais encolhem eventos do 1º de maio

Para o dirigente sindical, a polarização da política deveria desaguar nas eleições e o eleitor tem que conhecer os candidatos que vão respeitar os direitos trabalhistas.

Os presidenciáveis Aldo Rebelo (do Solidariedade, partido que nasceu a partir da Força Sindical), Manuela D'Ávila (PCdoB) e Paulo Rabello de Castro (que deixou a presidência do BNDES para disputar o Planalto pelo PSC) participaram do ato político nesta manhã. Outro pré-candidato, Ciro Gomes (PDT) era esperado mas não compareceu.

O governador e candidato à reeleição, Márcio França (PSB), e o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), cancelaram a participação por causa do desabamento de um prédio de 24 andares durante incêndio no centro da capital na madrugada desta terça-feira. Covas estava no Campo de Bagatelle, mas teve que sair da comemoração. O pré-candidato do MDB ao governo paulista Paulo Skaf era outra presença esperada, mas não participou do evento.

"Tão importante quanto eleger políticos que vão defender o trabalhador é não reeleger quem votou contra a gente", disse Miguel Torres, presidente do sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo. 

Deputados federais também devem participar das comemorações. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.