Bruna Pozelli/Divulgação
Bruna Pozelli/Divulgação

‘Lado D’ debate sociedade e democracia em oito episódios semanais

Programa em parceria entre ‘Estadão’ e CLP promove pluralidade e capacidade do diálogo

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de junho de 2021 | 23h30

Qual é a educação que prepara para o mundo? Somos pobres porque somos desiguais? Nascemos ou nos tornamos racistas? Essas e outras questões essenciais para os rumos do País são o ponto de partida para os debates do programa Lado D, apresentado pelo cientista político Luiz Felipe d’Avila. Parceria entre o Centro de Liderança Pública (CLP) e o Estadão, o programa reúne influenciadores e personalidades de origens e pontos de vista distintos, num diálogo plural e profundo, ainda que descontraído.

O primeiro dos oito episódios do programa vai ao ar na próxima terça-feira, dia 15, com a participação do ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta e da médica do SUS Thelma Assis, vencedora da penúltima edição do BBB, da TV Globo. Mediado por d’Avila, fundador do CLP, o debate terá ainda participações especiais do médico Fred Inácio e da jornalista Fabiana Cambricoli, especialista em Saúde do jornal.

“O Lado D está em sintonia com o objetivo do Estadão de buscar caminhos para fortalecer nossa democracia, tão ameaçada no momento atual”, diz João Caminoto, diretor de Jornalismo do Grupo Estado. “Com ajuda dos nossos jornalistas e colunistas, o programa abordará temas que são fundamentais para a construção de uma sociedade melhor.”

Para d’Avila, o programa promove a pluralidade e a diversidade, a capacidade de dialogar essencial para que o Brasil avance como nação democrática. “Queremos estimular o debate plural, mostrar como é possível dialogar com pessoas e grupos que pensam diferente entre si e criar o ‘mínimo denominador comum’, encontrando ali coisas que nos fazem pensar, que nos desafiam a furar a bolha em que cada um costuma se fechar”, afirma o cientista político. 

Segundo ele, hoje, o debate na sociedade como um todo tem sido prejudicado pelo excesso de truculência. “Precisamos resgatar a beleza da democracia e estimular suas virtudes, como a tolerância e a civilidade.” 

Os episódios serão semanais, com estreia sempre às terças-feiras e duração máxima de 20 minutos. As gravações, realizadas de forma presencial, respeitaram recomendações de segurança sanitária em meio à pandemia, incluindo o distanciamento entre os participantes.

O SUS e a pandemia abrem a série, que abordará também os temas racismo, igualdade de gênero, violência e impunidade, desigualdade social, democracia nas redes, sociedade e educação. O último episódio, que reúne a coordenadora do Todos pela Educação, Priscila Cruz, e o filósofo e professor de Ética, Clóvis de Barros Filho, vai ao ar no dia 3 de agosto. A jornalista do Estadão Renata Cafardo, especialista no tema, e o neurocientista Miguel Nicolelis também participam do programa. 

“Os episódios serão veiculados nas plataformas digitais do CLP e do Estadão”, explica o diretor do Lado D e publicitário Chico Mendez. A ideia central do formato do programa, um bate-papo livre, conduzido pelas provocações de d’Avila aos debatedores, além das informações e comentários gravados por jornalistas, colunistas e convidados especiais, “cria pontes” entre as pessoas, entre o universo da gestão pública e da academia, onde atua diretamente o CLP, com a sociedade.

Entre os debatedores, há personalidades como a atriz Suzy Pires e a jornalista Adriana Araújo, discutindo igualdade de gênero, com a participação da cartunista Laerte e do jornalista João Abel. Outro destaque é o episódio sobre desigualdade social, com Renato Meirelles, presidente do Instituto Locomotiva, e o músico e empresário Evandro Fióti. O programa terá ainda intervenções do colunista Pedro Fernando Nery e da influenciadora digital Camilla de Lucas.

Veja as datas de cada episódio do programa 'Lado D'

  • 15/06: SUS, com Luiz Henrique Mandetta, médico e ex-ministro da Saúde, e Thelma Assis, médica anestesiologista e comunicadora;
  • 22/06: Racismo, com Preto Zezé, presidente nacional da CUFA, e João Pedrosa, professor e apresentador;
  • 29/06: Equidade de gênero, com Adriana Araújo, jornalista e escritora, e Suzana Pires, atriz e autora;
  • 06/07: Violência e impunidade, com Claudia Moraes, tenente-coronel da PMERJ, e Gizelly Bicalho, advogada criminalista;
  • 13/07: Desigualdade social, com Evandro Fióti, músico e empresário, e Renato Meirelles, presidente do Instituto Locomotiva;
  • 20/07: Democracia nas redes, com Antonio Tabet, ator, apresentador e roteirista, e Fábio Rabin, comediante e ator;
  • 27/07: Sociedade, com Eliane Dias, empresária e advogada, e Tico Santa Cruz, músico, escritor, compositor, vocalista a banda Detonautas;
  • 03/08: Educação, com Clóvis de Barros Filho, professor, escritor e palestrante, e Priscila Cruz, presidente executiva do Todos Pela Educação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.