Lacerda quer evitar tema 2010

Prefeito de BH toma posse dando ênfase à economia

Eduardo Kattah, BELO HORIZONTE, O Estadao de S.Paulo

02 de janeiro de 2009 | 00h00

O prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda (PSB), tomou posse ontem dizendo que não é "político de carreira" e avisou que não pretende se envolver com as discussões sobre 2010. Empresário e ex-secretário de Estado de Desenvolvimento Social, ele foi eleito com a ajuda de uma aliança firmada entre o governador Aécio Neves (PSDB) e o ex-prefeito Fernando Pimentel (PT), que miram, respectivamente, os palácios do Planalto e da Liberdade. Lacerda é também ligado ao deputado Ciro Gomes (PSB-CE), sempre cotado como possível presidenciável. Desde que saiu vitorioso das urnas, Lacerda tem demonstrado que pretende consolidar a marca de gestor. Nos discursos, deu mais ênfase à preocupação com o impacto da crise econômica. "Com ponderação e transparência, faremos ajustes orçamentários que vierem a ser necessários e que menos impacto tenham sobre serviços e as áreas fundamentais."Lacerda enfatizou que seu compromisso nos próximos quatro anos é o de administrar bem a capital mineira. "Não sou um político de carreira", disse ele, em entrevista. "Eu não tenho essa vocação. Mas, na medida em que estiver debatendo as prioridades com a cidade, com lideranças, com os vereadores, com os deputados, estarei fazendo política em relação aos destinos da cidade. A política partidária dificilmente eu terei muito tempo para me envolver com ela."Aécio não compareceu à posse e foi representado pelo vice, Antonio Anastasia, que reafirmou o compromisso do governo estadual de manter uma "parceria estreita" com a prefeitura da capital. O novo prefeito elogiou os apoiadores, afirmando que Aécio e Pimentel "entenderam que os interesses da cidade precisam se sobrepor aos interesses meramente pessoais das disputas partidárias". Disse, por fim, que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva se comprometeu a "continuar sendo parceiro". Pimentel e o seu sucessor trocaram vários elogios. O petista é cotado para assumir um cargo no governo federal e deverá se reunir com o presidente ainda este mês.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.