Lacerda nega que Abin tenha aparelhos que realizem grampos

Jobim havia dito que órgão possuía equipamento, o que não foi confirmado pelo diretor afastado em comissão

Agência Brasil

09 de setembro de 2008 | 16h53

O diretor afastado da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) Paulo Lacerda negou nesta terça-feira, 9,  aque  agência teria equipamentos capazes de fazer interceptações telefônicas. "Afirmo, como diretor da Abin, que ela não possui. Se o ministro Jobim falou, o senhor deve perguntar a ele", respondeu ao senador Arthur Virgílio (PSDB-AM) na Comissão Mista de Controle de Atividades de Inteligência do Congresso Nacional. Na semana passada, o ministro da Defesa, Nelson Jobim,  declarou que a agência teria adquirido os equipamentos.   Veja Também: ESPECIAL:entenda o escândalo dos grampos Lula manda investigar compra de 'maleta de grampo' na Abin   Segundo Lacerda, o aparelho é usado apenas para varreduras. "A Abin não possui equipamentos para ouvir ou realizar gravações, apenas para fazer varreduras", disse.   Lacerda voltou a dizer que não teve participação na interceptação telefônica de autoridades. "Não comandei, não participei, não compactuei e muito menos tomei conhecimento de qualquer ilegalidade por parte da Abin. Quero deixar clara a minha repulsa quanto a isso", disse. "Não existe prova da participação da Abin em escutas ilegais", completou.   Paulo Lacerda afirmou nunca ter sido condenado por atividades realizadas ao longo de sua carreira. "Jamais fui condenado por qualquer prática. Não existe no meu currículo absolutamente nada de que pudesse me envergonhar. Não confundam a minha postura profissional com o acobertamento de irregularidades", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
AbinPaulo Lacerdagrampos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.