Lacalle acusa Mujica de submeter Uruguai a experimentos

Presidente do Uruguai entre 1990 e 1995 e derrotado por José Mujica nas eleições de 2010, Luis Alberto Lacalle criticou as medidas do atual mandatário do país em favor do aborto e da liberação da maconha. Para Lacalle, que esteve em São Paulo para participar de um encontro promovido pelo PSD, o atual presidente submete o Uruguai a experimentos.

JOSÉ ROBERTO CASTRO, Agência Estado

19 Março 2014 | 12h09

"Ele submeteu o Uruguai aos experimentos que lhe foram sugeridos pelo senhor (George) Soros e senhor David Rockefeller", criticou o político, citando o nome de dois bilionários americanos como sendo os homens por trás das ideias de Mujica. Lacalle disse ainda que o país acordará mal depois da passagem de Mujica pelo poder.

Para o ex-presidente, o Uruguai vem ganhando notoriedade mundial pelo governo da "má educação" e da "hipocrisia". Falando especificamente sobre a liberação da maconha, ocorrida em dezembro do ano passado, Lacalle acredita que será possível revogar a lei já em 2015. "Cerca de 65% das pessoas são contra a liberação da maconha e acredito que, quando trocarmos o governo, no final deste ano, ano que vem já se poderá revogar a lei", afirmou, durante evento promovido pela Fundação Espaço Democrático, braço de estudo e formação política do PSD, nesta terça-feira, em São Paulo.

O atual presidente uruguaio, conhecido popularmente como Pepe Mujica, ficou conhecido mundialmente por seu estilo de governar. Mujica não trocou sua chácara pela Casa Suárez y Reyeso - palácio presidencial - e manteve o hábito de ir trabalhar dirigindo seu próprio carro, um fusca. Além da maconha, o presidente uruguaio sancionou também leis que liberam o aborto e o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Mais conteúdo sobre:
PSDLacalle

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.