Laboratório que fez pílula da farinha pagará indenização de R$ 1 milhão

O laboratório farmacêutico Schering do Brasil foi condenado hoje a pagar uma indenização de R$ 1 milhão por danos morais causados a mulheres que engravidaram mesmo tomando o anticoncepcional Microvlar. Ficou comprovado que os lotes fabricados entre 15 de janeiro a 21 de abril de 1998 eram na verdade ?pílulas de farinha?, sem princípio ativo.A 9ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça julgou, por unanimidade, procedente a ação coletiva proposta pelo Estado de São Paulo e Procon. A Schering pode ainda recorrer ao Superior Tribunal de Justiça, mas o recurso não tem o poder de suspender a execução. O promotor de Justiça Eduardo Martines Junior aconselha as vítimas que procurem o Procon a fim de se habilitarem no processo. A indenização de R$ 1 milhão será rateada entre as vítimas.Segundo o advogado da Schering, Cide Flaquer Scartezzini Filho, o número de vítimas está entre 40 e 50 mulheres. Ele disse que as pílulas foram lançadas acidentalmente no mercado e tinham sido confeccionadas para testar uma nova máquina de embalagem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.