Laboratório para 2010, eleição em Goiânia reaproxima PT e PMDB

Com Iris Rezende na frente, com 67%, eleição cicatriza disputa entre siglas

Brasília, O Estadao de S.Paulo

22 de setembro de 2008 | 00h00

Para o Palácio do Planalto, o sucesso da coligação do PMDB com o PT em Goiânia transformou-se em exemplo de manual. Na disputa pela capital, Iris Rezende (PMDB), atual prefeito, caminha para uma vitória no primeiro turno, com 67% das intenções de voto, segundo pesquisa do Ibope divulgada na sexta-feira. Iris faz chapa com o petista Paulo Garcia, candidato a vice-prefeito.O cenário em Goiânia é comemorado porque cicatriza disputas entre petistas e peemedebistas e serve como um pequeno laboratório para uma eventual aliança em 2010. Ademais, o PT, que sempre teve força na capital, vencendo duas das últimas cinco eleições, não lançou candidato em prol da coligação.De acordo com o Ibope, a segunda colocação é de Sandes Júnior (PP), com 17%, seguido de Martiniano Cavalcante (PSOL), com 2%, e Gilvane Felipe (PPS), que também aparece com 2%. No sábado, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva despachou para Goiânia o chefe de gabinete da Presidência, Gilberto Carvalho. "Desde que o PT decidiu entrar na chapa, é evidente que o presidente manifesta apoio, além de um carinho particular pelo Iris, do qual sou testemunha", disse Carvalho à imprensa local. "É importante levar adiante a coligação com o PMDB no plano local e nacional", emendou. A situação favorável da candidatura Iris demoveu Lula de subir no palanque do peemedebista. Para assessores do Planalto, o presidente precisa se concentrar nas campanhas onde o PT enfrenta disputas acirradas, como Natal e São Paulo.Iris, antes de ser apoiado pelo Planalto e pelo PT, foi ministro da Justiça no governo Fernando Henrique Cardoso e, na eleição municipal de 2004, derrotou o então prefeito Pedro Wilson, do PT.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.