Köhler defende a retomada das negociações da rodada Doha

O presidente da Alemanha Horst Köhler defendeu nesta quinta-feira, 8, em São Paulo, a retomada das negociações da Rodada Doha. A uma platéia de mais de 300 empresários, alemães e brasileiros, ele disse que seu país tem como meta "retomar as negociações e obter bons resultados", e espera que os outros países também aprovem a discussão. Köhler esteve com o presidente Lula esta manhã em Brasília e disse que o chefe de Estado brasileiro também manifestou estar disposto a dar um passo adiante para retomar a rodada Doha. Na visão de Köhler, as negociações podem ajudar no desenvolvimento do desenvolvimento econômico global, no crescimento das nações e na criação de empregos. O presidente da Alemanha participou de um debate na Câmara Brasil-Alemanha sobre responsabilidade empresarial. Por uma hora ele ouviu experiências de empresas locais que têm projetos sociais. Participaram do debate o presidente da Volkswagen do Brasil, Thomas Schmall, o presidente da Embraer, Mauricio Botelho, o presidente da Gerdau, Jorge Johampeter Gerdau, o conde Faber Castell e o executivo da Henkel Júlio Muñoz Kampff. Köhler chegou ao encontro, marcado para as 18 horas, com quase duas horas de atraso. Segundo ele, o encontro com Lula em Brasília foi mais longo que o previsto e ele também enfrentou problemas de trânsito e com a chuva ao chegar em Guarulhos. O presidente alemão reforçou ter vindo ao Brasil para mostrar que a Alemanha considera o País de grande importância do ponto de vista econômico e também político. Afirmou conhecer Lula desde 2002, quando ele foi candidato à presidência e hoje pode dizer com "juízo unívoco" que o Brasil é um parceiro estável para a América Latina e a Europa. Elogiou a democracia local e as melhores condições sociais, embora reconheça que ainda há muito a ser feito. Também afirmou acreditar que o Brasil tem condições de crescer os 5% ao ano projetados pelo governo Lula.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.