Taba Benedicto/ Estadão
Taba Benedicto/ Estadão

Kim Kataguiri pede esclarecimento sobre fala de Bolsonaro sobre respirador superfaturado

Deputado quer explicação sobre trecho de live em que presidente diz que um ministro tentou convencê-lo a comprar respiradores hospitalares que custam R$ 30 mil por R$ 200 mil

Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

09 de setembro de 2020 | 17h22

O deputado Kim Kataguiri (DEM-SP) protocolou nesta quarta-feira, 9, um pedido de informações para que o presidente Jair Bolsonaro esclareça trecho de sua live semanal da última quinta-feira, 3, no qual sugere que um ministro tentou convencê-lo a comprar respiradores hospitalares que custam R$ 30 mil por R$ 200 mil. 

No requerimento, Kataguiri anexou reportagens que citam o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM-GO) como alvo das insinuações de Bolsonaro. A avaliação de pessoas próximas ao deputado é que a fala pode conturbar ainda mais as relações do presidente com o DEM. 

"O que o marqueteiro falava para vocês? 'Fica em casa. Quando faltar ar você vai para o hospital'. Para quê? Para ser intubado. Para ser intubado precisa de respirador. Então vamos comprar rapidinho respirador. Custa R$ 30 mil? Vamos pagar R$ 200 mil'. Bem, vocês estão sabendo o que está acontecendo aí, não é isso?", disse Bolsonaro na live da última quinta-feira. "Vocês lembram um primeiro ministro nosso lá, que virou marqueteiro da Globo", acrescentou o presidente.

O deputado também questiona se o ministro da Justiça, André Mendonça, que acompanhou a live presidencial, o instruiu a não citar nomes durante o pronunciamento para não ser enquadrado em crime contra a honra.

A live foi transmitida diretamente da casa da mãe de Bolsonaro, dona Olinda, em Eldorado (SP), cidade na qual passou parte da infância e adolescência. Mendonça, que também é da região do Vale do Ribeira, acompanhou o presidente na viagem.

No longo pedido de informações protocolado pelo deputado do DEM, Bolsonaro é instado a revelar o nome do ministro que fez a proposta de compra dos respiradores e quais atitudes formais foram tomadas diante da sugestão. Segundo Kataguiri, se o que o presidente disse for verdade o ministro em questão poderia incorrer em crimes de peculato, emprego irregular de verbas públicas, concussão, corrupção passiva, prevaricação, advocacia administrativa, entre outros. Ainda segundo o requerimento do deputado, se não tomou providências Bolsonaro é quem poderia ter cometido crime de prevaricação. 

De acordo com pessoas próximas de Kataguiri, o objetivo do requerimento é emparedar Bolsonaro. Se admitir que o ¨marqueteiro¨ é Mandetta, o presidente teria que provar as acusações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.