Kátia Abreu: governo ameaça sociedade para ter CPMF

A senadora Kátia Abreu (DEM-TO) disse hoje, em Curitiba, que o governo federal utiliza apenas o discurso da ameaça contra a sociedade para tentar aprovar a prorrogação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). "E ameaça nos pontos críticos, como a saúde", acentuou a relatora da medida provisória do tributo na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. "Eu quero garantir a essas famílias que o dinheiro da saúde não vai faltar, com ou sem a CPMF, porque é garantido na Constituição, através da emenda constitucional 29."Ao debater com empresários da Associação Comercial do Paraná, ela disse que o governo somente ameaça porque não tem conteúdo técnico para uma discussão. "Gostaria que o governo pudesse ter elevado o debate, um debate técnico, maduro, mas só nos ameaçou o tempo todo, amedrontando as famílias brasileiras", afirmou. Segundo ela, a "briga" contra o tributo não busca prejudicar o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ou seu partido, o PT. "Nossa briga é a favor do País."Para a senadora, o fim da CPMF vai obrigar o governo a rever os gastos públicos. "O governo tem resistido a isso", afirmou. "Todos os segmentos da sociedade têm de lutar com uma música só: fim da CPMF, redução da carga tributária para o País avançar, consolidar os empregos existentes e aumentar as opções para os desempregados." Ela recebeu apoio do senador Álvaro Dias (PSDB-PR), que confia na derrubada do imposto em plenário. "O governo só teve sucesso na CCJ porque substituiu jogadores antes, sabendo que fariam os gols", disse. "No plenário não tem como fazer substituição, contundidos ou não, todos vão jogar."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.