Kassab vai às ruas com tucanos

Grupo ignora crise interna no PSDB e prestigia agenda do prefeito

Ricardo Brandt e Anne Warth, O Estadao de S.Paulo

11 de setembro de 2008 | 00h00

Enquanto o PSDB começava a digerir mais uma crise interna e avaliar os resultados do anúncio de saída do marqueteiro Lucas Pacheco da campanha de Geraldo Alckmin, o prefeito Gilberto Kassab (DEM) escalou ontem três tucanos ligados ao seu governo para uma visita a um clube municipal na zona sul.A agenda era de prefeito. Kassab foi ao local para mostrar o projeto Clube Escola, que integra as secretarias de Esporte, Educação e Saúde, encaminhando estudantes para os 60 clubes públicos da cidade para desenvolver atividades e oferecer atendimento médico.Esbanjando sorrisos, o prefeito percorreu o Clube Escola de Santo Amaro ao lado do líder do PSDB na Câmara, Gilberto Natalini, e dos secretários municipais Walter Feldman (Esportes) e Januário Montoni (Saúde).Descontraído, Feldman chegou a calçar, em frente às câmeras, luvas profissionais para simular com o prefeito uma luta de boxe, com direito a socos e clinch (situação de luta em que os boxeadores se apóiam mutuamente). Os dois ainda jogaram vôlei juntos.Kassab evitou dar opiniões sobre a crise entre os tucanos. "Minha preocupação não é a campanha dos adversários", desconversou.Mas, se o prefeito se calou, os "tucanos kassabistas" deram o recado. "Foi uma declaração infeliz. Ele pode ser um excelente marqueteiro, mas não entende nada de política", disse o parlamentar, sobre a afirmação de Pacheco de que os membros do PSDB aliados a Kassab eram "lobos em pele de cordeiro".Feldman, que sempre se manteve contra o lançamento da candidatura de Alckmin, criticou a estratégia de atribuir a eles a culpa pela crise na equipe tucana. "O pior momento na vida é buscar culpados. Antes de procurar fora, é preciso fazer a autocrítica."Segundo ele, "desde o início o PSDB foi avisado de que a candidatura de Alckmin teria dificuldades". Feldman é um dos tucanos que estão sendo ameaçados de expulsão pelo partido."Quando a luta política é clara, o trabalho do marqueteiro é sempre mais fácil", argumentou. Segundo Feldman, o PSDB não pode ser oposição ao prefeito, pois seus membros fazem parte do governo.A opinião foi compartilhada por Natalini, que lembrou que sempre pregou a manutenção da aliança entre PSDB e DEM."Do contrário, seriam dois candidatos de uma mesma base disputando o mesmo eleitorado, sendo que Kassab tem um governo bem avaliado."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.