Kassab sugere que Serra dirija negociações

Prefeito defende ?entendimentos partidários? com PSDB e reforça estratégia do DEM de deixar Alckmin de fora

Ricardo Brandt e Carlos Marchi, O Estadao de S.Paulo

06 de outubro de 2008 | 00h00

O prefeito Gilberto Kassab (DEM) lançou um aceno ao apoio de seus aliados naturais no segundo turno: "Cumprimento os candidatos que não chegaram ao segundo turno, em especial Soninha e Geraldo Alckmin", disse ele a centenas de pessoas que inesperadamente lotaram seu comitê de campanha. Quando ele citou o tucano Alckmin, uma chuva de aplausos veio da platéia. Kassab conteve os ânimos. Disse que "os entendimentos com partidos e candidatos que não foram para o segundo turno serão feitas pelas instâncias partidárias".A afirmação reforça estratégia de seu partido de não negociar apoio diretamente com o candidato derrotado Geraldo Alckmin, mas deixar que as duas legendas - DEM e PSDB - acertem o apoio natural dos tucanos à candidatura Kassab no segundo turno. Quem vai comandar as conversas em seu nome é Guilherme Afif Domingos, coordenador de sua campanha, comentou ele com amigos.REENCONTROO reencontro definitivo entre DEM e PSDB, que já começou a ser costurado na semana passada, deve hoje mesmo ter importante passo. Uma conversa entre o presidente do PSDB, Sérgio Guerra, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o presidente de honra do DEM, Jorge Bornhausen, ainda sem local definido, deve selar as condições do acordo com os tucanos ligados a Alckmin.Várias vezes durante a noite, enquanto acompanhava num telão a marcha das apurações, ele disse que conta como certo o apoio de Soninha Francine (PPS) à sua candidatura. Quanto a Alckmin, o prefeito se perguntava qual seria a reação do tucano depois de encerrada a apuração. Houve quem esperasse que Alckmin ligasse para o prefeito, pelo menos para cumprimentá-lo. Mas até as 23 horas isso não tinha acontecido.O caminho a ser seguido por essas negociações, disse e repetiu Kassab, será dado pelo governador José Serra, a quem ele credita o seu sucesso na prefeitura. "Todos sabem que somos aliados, Democratas e PSDB. Essa aliança tem um líder em São Paulo: é José Serra. Portanto, caberá a ele liderar o processo sucessório no Estado. Eu posso afirmar que estaremos juntos com o PSDB, juntos com o governador José Serra no encaminhamento que ele der em relação ao processo sucessório no Estado", disse ele mais cedo.A presença em massa de tucanos ao lado do prefeito ontem durante suas visitas a seções de votação é mostra de que a aliança, com Alckmin fora da disputa, está garantida. Além de secretários de governo tucanos, vereadores, como Gilberto Natalini, grudaram no prefeito para reafirmar apoio ao candidato do DEM. O resultado surpreendente de Kassab no primeiro turno, disputando voto a voto o primeiro lugar com a favorita Marta Suplicy, animou o prefeito e sua assessoria. Mas eles tiveram uma medida de como as coisas mudaram com a apuração de ontem: calcularam mal a ida ao comitê de campanha para um breve pronunciamento. A entrevista coletiva marcada para o local teve de ser suspensa, tal o número de pessoas e jornalistas que envolveu o candidato.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.