Kassab quer turno maior nas escolas

Programa amplia permanência de aluno de 5 para 7 horas diárias

Viviane Kulczynski, O Estadao de S.Paulo

11 de julho de 2008 | 00h00

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), candidato à reeleição, vai começar a elaborar no sábado seu plano de governo na área da educação, junto com o secretário municipal Alexandre Schneider e o coordenador-geral da campanha, Guilherme Afif Domingos. Ontem, o prefeito adiantou duas de suas metas para o setor. A primeira é aumentar de cinco para sete horas o período de permanência das crianças na escola até o fim de um eventual segundo mandato. Quando José Serra (PSDB) assumiu o cargo, a média era de quatro horas por turno, o mínimo estabelecido por lei. "Em 2005, apenas 6% da rede ficava mais de quatro horas em atividades escolares. Hoje, esse índice já é de 25%", afirmou Schneider.Com o acréscimo de horas promovido em 2007, pelas contas do secretário, o aluno matriculado no ensino fundamental ganha um ano de estudo, considerando-se até a 4ª série, ou dois anos, se ficar até a 8ª série.A segunda proposta de Kassab é uma antiga promessa dele. Trata-se da extinção do terceiro turno, conhecido como "turno da fome", que vai das 11 às 15 horas. "Mas isso dependerá da conclusão de obras que estão sendo feitas", diz o prefeito.READEQUAÇÃOEm alguns locais, salas extras tiveram de ser erguidas ou improvisadas para comportar mais alunos num mesmo turno - ainda que isso tenha resultado ocasionalmente em perda de espaços de lazer, por exemplo. Em outras unidades, segundo o secretário Schneider, foi feita uma readequação do espaço, utilizando-se como salas de aula locais destinados a atividades consideradas não essenciais à educação.A secretaria confirma que 147 escolas municipais de ensino fundamental (Emefs) ainda têm o "turno da fome". Em 2005, eram 329. A manutenção do terceiro período atinge cerca de 245 mil alunos. Trata-se de um grande desafio, levando em conta que só é possível aumentar a carga horária para todos com a redução de um turno. Neste governo , contando a gestão Serra/Kassab, foram criadas 218 escolas, incluindo 25 CEUs. O orçamento da Educação para 2008 é de R$ 5,2 bilhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.