Kassab quer apoio dos 27 diretórios a Dilma

Doze diretórios estaduais do PSD, partido do ex-prefeito Gilberto Kassab, já manifestaram apoio à reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT) em 2014. A expectativa da direção da legenda é a de que a aliança com a petista seja chancelada pela maioria dos 27 Estados até o fim do ano. As consultas aos diretórios foram a forma encontrada pela direção do PSD para legitimar o apoio a Dilma. Nesta terça-feira, o partido de Kassab, que era adversário do PT em São Paulo, deu mais um passo para concretizar essa aliança: o vice-governador Guilherme Afif Domingos (PSD) aceitou convite de Dilma e será ministro da Secretaria da Micro e Pequena Empresa.

JULIA DUAILIBI, Agência Estado

08 de maio de 2013 | 07h44

Dos doze diretórios pró-aliança com o PT, três - Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Alagoas - formalizarão sua decisão nesta quarta-feira, 8, em reunião da Executiva do PSD, conforme antecipou nesta terça a coluna Direto da Fonte, do jornal O Estado de S. Paulo. A maior resistência está no diretório de Pernambuco. Lá, o PSD nasceu com o apoio do governador e presidenciável Eduardo Campos (PSB).

Apesar da aliança nacional com o PT, Kassab liberou os diretórios para fazerem as costuras locais que lhes forem convenientes - o fim da verticalização das alianças permite que o partido apoie uma legenda na eleição presidencial e outra na estadual.

Em Estados administrados pelo PSDB, haverá apoio a tucanos na eleição para governador, como no Paraná e em Goiás. Já na Bahia e em Sergipe, o PSD se aliará ao PT, que governa os dois Estados. Em São Paulo, a tendência é a de que o PSD apoie o PT ou tenha candidatura própria - os petistas acham que uma candidatura de Kassab pode rachar o eleitorado tucano e ajudar a forçar um segundo turno contra o candidato à reeleição, o tucano Geraldo Alckmin (PSDB). O PSD chegou a ensaiar um acordo com o PSDB, mas a conversa não avançou.

A decisão dos diretórios de apoiarem Dilma e o convite a Afif aproxima o PSD do PT. Mas, na prática, o PSD já atua alinhado com o governo. Segundo o Basômetro, ferramenta do Grupo Estado que mede o governismo no Congresso, na média, os deputados do PSD acompanharam o governo em 79% das votações desde 2011. No Senado, o índice foi de 94%. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2014DilmaKassab

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.