FELIPE RAU/ESTADÃO
FELIPE RAU/ESTADÃO

Kassab oficializa apoio do PSD a Doria, mas ainda não a Alckmin

Presente no anúncio, o ministro das Comunicações não quis vincular o apoio ao tucano a um eventual apoio ao agora ex-governador paulista, apesar de afirmar que essa é uma tendência muito forte

Adriana Ferraz, O Estado de S.Paulo

09 Abril 2018 | 13h58

O ex-prefeito João Doria (PSDB), que renunciou ao cargo na última sexta-feira, 6, para concorrer ao governo do Estado, recebeu na manhã desta segunda-feira, 9, o apoio oficial do PSD à sua candidatura. Presente no anúncio, o ministro das Comunicações, Gilberto Kassab, fundador e presidente licenciado do partido, não quis vincular o apoio a Doria a um eventual apoio ao agora ex-governador paulista Geraldo Alckmin, candidato à Presidência da República pelo PSDB, apesar de afirmar que essa é uma tendência muito forte.

"São coisas distintas. A instância que vai definir o apoio presencial é outra. Aqui se discute São Paulo, mas posso afirmar que meu sentimento hoje é que a ampla maioria do partido quer a candidatura Geraldo Alckmin", disse Kassab.

Sobre Doria, o ministro afirmou que tem dele o compromisso de que a aliança prevê que o PSD indique o vice. Depois da desistência do próprio Kassab, o posto na chapa deve ficar com a presidente nacional do PSD Mulher, Alda Marco Antonio, que foi vice de Kassab na Prefeitura.

++ Presidenciáveis dão ênfase ao social por votos de Lula

Doria, no entanto, não confirmou a declaração de Kassab quando perguntado. Disse apenas que vai anunciar seu vice "oportunamente".

Em seu discurso, Doria disse reverenciar Alckmin pela sua capacidade de gestão e se colocou como sucessor de seu plano de governo. Ele foi um dos poucos presentes a citar o nome do tucano - mais de 15 políticos discursaram. O presidente estadual do PSDB, Pedro Tobias, afirmou antes que Doria e Alckmin estarão unidos novamente nessas eleições.

++ ANÁLISE: PT envelheceu à sombra do líder

Após deixar a Prefeitura com apenas 15 meses de governo na data máxima permitida pela lei eleitoral, Doria corre agora para fechar o maior número de alianças para ao menos equilibrar a disputa partidária com o atual governador paulista Márcio França (PSB), também candidato. Desde o início do ano, França já anunciou 12 partidos em sua coligação, entre siglas pequenas e médias.

O atual prefeito da capital, Bruno Covas (PSDB), participou do ato acompanhado de ao menos oito secretários municipais e fez questão de ressaltar que ele e sua equipe estavam presentes porque o anúncio foi marcado no horário do almoço.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.