Kassab nomeia ''alckmista'' como secretário

Promotor, que já trabalhou no governo Alckmin, assume a Assistência e Desenvolvimento Social

Elizabeth Lopes e Camila Riggi, O Estadao de S.Paulo

05 de abril de 2008 | 00h00

Em meio à indefinição sobre a continuidade da aliança PSDB-DEM em São Paulo, o prefeito Gilberto Kassab (DEM) nomeou ontem mais um secretário ligado aos tucanos, o promotor Paulo Sérgio Oliveira e Costa, que foi presidente da Febem de janeiro de 2003 a janeiro de 2004, na gestão de Geraldo Alckmin no governo do Estado.O promotor Costa assume a Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social no lugar de Floriano Pesaro, que, depois de três anos no cargo - assumiu na gestão Serra -, decidiu disputar uma vaga de vereador nas eleições deste ano. Pesaro, que é filiado ao PSDB, também atuou no governo Alckmin, na Secretaria da Casa Civil. No discurso de despedida, Pesaro disse que deixava a pasta, mas não iria abandonar a luta por uma cidade mais participativa.A sintonia demonstrada entre DEM e PSDB na administração da maior prefeitura do País não se repete nos bastidores da corrida sucessória municipal. Na semana que vem, o presidente do DEM, Rodrigo Maia, deve vir a São Paulo para uma conversa com o presidente municipal do PSDB, José Henrique Reis Lobo. Até o final deste mês, Alckmin e Kassab também terão um novo encontro para bater o martelo sobre a aliança na capital.O prefeito disse ontem que a vontade de disputar a reeleição não pode se sobrepor ao esforço para manutenção da aliança com o PSDB. "Minhas energias estão canalizadas para a manutenção da aliança. Minha vontade é ser candidato, mas não farei dessa aspiração pessoal um imperativo para a decisão política", afirmou. Lideranças do DEM na capital paulista já estão trabalhando com a possibilidade de desistência de Kassab. Nos bastidores, alguns já falam em acertar com os tucanos uma saída honrosa para o prefeito. Ele poderia ter uma vaga assegurada no secretariado do governador José Serra e, em 2010, concorrer ao Senado. Em troca, o DEM indicaria o vice na chapa tucana à Prefeitura de São Paulo, encabeçada por Alckmin.Questionado se ele desistiria da reeleição para concorrer ao Senado em 2010, Kassab disse que não era o momento para definições. "Tenho me dedicado à cidade e às responsabilidades do cargo de prefeito."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.