Kassab nega ter pedido a servidor assinaturas para PSD

Prefeito de São Paulo afirma que iniciativa foi de caráter pessoal da servidora e refutou envolvimento de diretores no caso

Gustavo Uribe, da Agência Estado

15 de junho de 2011 | 13h28

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, negou nesta quarta-feira, 15, ter pedido a subprefeitos e a servidores comissionados que recolham assinaturas para a criação do Partido Social Democrático (PSD).

Reportagem publicada nesta quarta pelo jornal O Estado de S. Paulo aponta que uma assessora de subprefeitura da zona sul da capital enviou e-mail pedindo a amigos assinaturas para o registro do PSD no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). "A própria funcionária disse que era de caráter pessoal e não foi uma determinação da Prefeitura de São Paulo", afirmou Kassab, após evento no Palácio dos Bandeirantes.

Kassab refutou que o pedido tenha sido feito aos subprefeitos. "Não houve isso", afirmou. Ele também negou que o diretor da Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação de São Paulo (Prodam), Flávio Chuery, seja o responsável pelo recolhimento das assinaturas. "Ele está em férias faz um mês na Europa", disse. "Eu posso afirmar que não é ele quem está fazendo isso."

O PSD corre contra o tempo para recolher até outubro um total de 482 mil assinaturas em nove Estados e disputar as eleições de 2012. Kassab e o vice-governador paulista, Guilherme Afif Domingos, já anunciaram a saída do DEM para fundarem o PSD. Hoje, Afif, disse que o PDS já recolheu todas as assinaturas e agora trabalha para obter um número acima do mínimo para que, caso haja problemas, não tenha contestação na Justiça Eleitoral.

Kassab participou nesta quarta de cerimônia de assinaturas de convênios com o governo estadual para a construção de 2.425 unidades habitacionais para a população de baixa renda das favelas de Heliópolis, Lidiane, Jardim Pabreu e Nelson Cruz. O investimento total é de R$ 298 milhões.

Tudo o que sabemos sobre:
KassabPSDassinaturasservidores

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.