Kassab minimiza queda de Serra em pesquisa eleitoral

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, minimizou o resultado da pesquisa Datafolha, na qual o candidato do PSDB à sua sucessão, José Serra, a quem apoia, perdeu pontos para o adversário do PRB, Celso Russomanno. Serra saiu do primeiro lugar na preferência do eleitor, e agora está com 27% de apoio, enquanto Russomanno subiu e está com 31% dos votos.

ROSA COSTA, Agência Estado

21 de agosto de 2012 | 13h54

O prefeito entende que, numa cidade como São Paulo, as eleições começam com mais vigor a partir desta terça-feira, com a exibição do horário eleitoral no rádio e na TV. "A própria pesquisa mostra um empate técnico, que já existia nas nossas pesquisas internas há duas ou três semanas", afirmou. "Não é uma novidade dos últimos dias". Kassab lembrou que, em São Paulo, nos últimos dois meses, a polarização entre Serra e Russomanno era do conhecimento de todos. "Mas que agora precisa ser consolidada, ou não, para a finalização do primeiro turno", disse.

Ele prevê que a tendência atual é a de Serra ir para o segundo turno, favorecido pelas realizações de seus últimos anos na Prefeitura, que "serão agora apresentadas no horário eleitoral gratuito". Mas ressalvou a necessidade de o tucano diminuir o nível de rejeição, de 37% em julho. "Ao longo da campanha isso diminui. Se a rejeição não diminuir é porque ele não vai ganhar as eleições. Mas acho que o Serra está no piso, e não no teto", alegou.

No final da entrevista, na saída do gabinete do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), o prefeito de São Paulo mudou o tom e deixou claro que nem ele próprio acredita nas suas previsões: "Nem ele (Fernando Haddad, candidato do PT à prefeitura de São Paulo) nem ninguém tem essa certeza. Nem o Serra tem certeza que vai para o segundo turno. É um grande equívoco afirmar que tem certeza que vai para o segundo turno."

Sobre o apoio do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a Haddad, Kassab disse que o "apoiamento apenas não resolve eleição". "A performance do candidato é importante, conhecer a vida e ter propostas." E acrescentou que ainda é cedo para saber quem será o concorrente do segundo turno, se Russomanno ou Fernando Haddad. "A minha impressão é que eleição pode tudo", afirmou. "Então o candidato que não tem humildade em relação ao eleitor geralmente quebra a cara. Ninguém está garantido para o segundo turno".

Kassab visitou Sarney antes de participar de reunião com a ministra do Planejamento Miriam Belchior com prefeitos e governadores para discutir o PAC Prevenção, destinado às cidades atingidas por alagamentos e inundações.

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições 2012SPKassabpesquisa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.