Kassab e Alckmin se encontram, mas evitam falar sobre eleição

Ambos ressaltaram importância de aliança PSDB-DEM, mas nenhum recuou na intenção de concorrer à Prefeitura

Paulo Darcie e Silvia Amorim, de O Estado de S.Paulo

24 de janeiro de 2008 | 13h44

No primeiro encontro público do ano, os dois pré-candidatos à Prefeitura de São Paulo, o atual prefeito, Gilberto Kassab (DEM), e o ex-governador do Estado Geraldo Alckmin participaram nesta manhã no lançamento do Observatório Cidadão, pelo Movimento Nossa São Paulo, no Sesc Consolação, na capital paulista. Na quarta,  Alckmin e Kassab almoçaram juntos na casa do presidente municipal do PSDB, José Henrique Leis Lobo, e conversaram sobre as eleições deste ano.   Nesta manhã, mais uma vez, Alckmin e Kassab evitaram polemizar sobre o assunto e diminuíram a importância dos encontros. Ambos ressaltaram a importância da manutenção da aliança entre PSDB e DEM na capital paulista, mas nenhum dos dois recuou na intenção de concorrer à Prefeitura de São Paulo neste ano.   "Esse encontro é um encontro corriqueiro. Ao longo de 2007, nós nos encontramos por diversas vezes", disse o prefeito. Sobre o almoço de quarta, Kassab desconversou: "É uma relação rotineira de dois dirigentes que tem relações políticas, partidárias e pessoais. Foi um almoço cordial".   Alckmin, por sua vez, limitou-se a elogiar o cardápio e o anfitrião e disse que a conversa não envolveu nomes para as eleições municipais deste ano, mas sim, de forma geral, o cenário político do País e da cidade. "Foi bom. O doutor Lobo é um bom anfitrião. Uma manga deliciosa, um almoço muito gostoso, uma boa conversa. Sempre sou um homem do diálogo, e o PSDB também. Construir pontes, conversar, dialogar, essa é a boa política", declarou.   Kassab destacou as vitórias da coligação nos últimos 14 anos, como a eleição do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e de José Serra para a Prefeitura e, depois, para o governo de São Paulo. "2007 não era o ano de discutir a aliança para a eleição, mas 2008 é", admitiu. Já Alckmin ponderou. "Não há pressa para se decidir. Não precisamos resolver isso em 24 horas."   Alckmin reiterou que o PSDB precisa ter candidatura própria para disputar a capital paulista para fortalecer o partido e assinalou que a base da legenda precisa ser consultada sobre o assunto. O ex-governador disse ainda que sua candidatura não é um "projeto pessoal".   Já Kassab disse considerar natural sua candidatura à reeleição, uma vez que ocupa o cargo no momento. Questionado sobre a opinião de Alckmin, que também avalia que uma candidatura própria tucana seria natural, Kassab respondeu: "Aí vocês perguntem para ele".

Mais conteúdo sobre:
Eleições 2008

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.