Marcelo Camargo/Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil

Kassab diz que presidente dos Correios pedirá demissão para preparar campanha

No lugar de Guilherme Campos entra outro aliado do ministro, Carlos Roberto Fortner

Igor Gadelha, O Estado de S. paulo

05 Janeiro 2018 | 16h40

O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab (PSD), confirmou nesta sexta-feira ao Broadcast que o presidente dos Correios, Guilherme Campos, pedirá demissão nas próximas semanas. No lugar dele, assumirá o comando da estatal o atual vice-presidente de Finanças, Carlos Roberto Fortner, também ligado a Kassab. A data exata da saída será acertada em reunião entre Campos e o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, na próxima semana. 

Segundo Kassab, Campos sairá para se dedicar à campanha eleitoral. O executivo pretende concorrer a uma vaga na Câmara em 2018 por São Paulo. Ele já foi deputado por três mandatos, mas não se reelegeu em 2014. "Já estava acertado que ele deixaria o cargo no fim de março, mas resolvemos antecipar para se dedicar à campanha e para participar de um grupo para ajudar na aprovação de matérias de interesse do governo, como a reforma da Previdência", disse o ministro.

 

Campos deixará o comando dos Correios em meio à crise financeira da empresa, que é vinculada ao ministério de Kassab. Pelo quinto ano consecutivo, a estatal fechou 2017 no vermelho – o balanço do ano passado ainda não foi publicado. A companhia, palco inaugural do mensalão há mais de dez anos, também amargou rombos em 2015 e em 2016. Para tentar reverter a crise, a estatal fez plano de demissão dos funcionários (PDV), propôs alterações no plano de saúde dos empregados e fechou agências.

Baixas. A saída de Campos é pelo menos a segunda baixa no terceiro escalão do governo em razão das eleições. No fim de novembro, o paraibano Leonardo Gadelha pediu demissão da presidência do INSS para se dedicar à campanha para deputado federal no pleito de outubro deste ano. No lugar dele, foi nomeado Francisco Paulo Soares Lopes, que era assessor da Presidência da Dataprev e, assim como Gadelha, foi indicado pelo PSC.  

As eleições também motivaram saídas no primeiro escalão nas últimas semanas. No final de dezembro, o deputado Ronaldo Nogueira (PTB-RS) pediu demissão do Ministério do Trabalho. No lugar dele, foi nomeada a deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ). Na última quarta-feira (3), Marcos Pereira (PRB) pediu exoneração do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. Seu substituto ainda não foi definido. Pereira e Nogueira querem concorrer a uma vaga na Câmara em 2018. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.