Kassab defende Serra na Presidência e fala de eleições

Em discurso em Santos, prefeito de São Paulo volta a descartar negociação para abrir mão de candidatura

Zuleide de Barros, da Agência Estado,

05 de abril de 2008 | 17h10

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), defendeu neste sábado, 5, o nome do governador José Serra para a Presidência da República. Além disso, manifestou a sua vontade de permanecer à frente da prefeitura de São Paulo, descartando uma eventual negociação para que abrisse mão da sua candidatura com o objetivo de concorrer a uma eventual vaga no Senado. Kassab tem reiterado a amigos nos últimos dias que não retirará seu nome da disputa municipal de São Paulo "de forma alguma" e concorrerá à reeleição em outubro. A reação de Kassab respondeu a sinais emitidos por setores do PSDB, dando conta de que ele estaria pronto a desistir da reeleição para permitir a rearticulação da aliança PSDB-DEM e a convergência das duas forças em torno da candidatura do ex-governador Geraldo Alckmin à prefeitura. "Tenho afirmado constantemente que a minha vontade é ser candidato, para continuar administrando São Paulo. Mas essa definição vai ocorrer no momento certo, ou seja, durante as convenção, que vão ocorrer em junho", reiterou. Serra Durante a solenidade de encerramento do 52º Congresso Estadual de Municípios, realizado desde a noite de segunda-feira em Santos, Kassab afirmou que "o Brasil só tem a ganhar caso José Serra chegue à Presidência da República, já que o considero um homem credenciado para ocupar todos os cargos da vida pública". Além disso, acrescentou: "E, como ele já ocupou quase todos, só falta mesmo o de presidente". O prefeito negou, porém, que, ao se dirigir aos prefeitos e vereadores paulistas em seu discurso, tivesse a intenção de lançar a candidatura de Serra à Presidência. "Não tive esta intenção. Apenas registrei a minha opinião, de um brasileiro, de alguém que conhece muito bem o atual governador e o considera capacitado para ocupar o cargo de presidente", explicou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.