Kassab corteja acusados de desviar R$ 300 milhões

Em giro no Nordeste para ampliar a lista de filiados do PSD, prefeito esteve com políticos indiciados pela PF e acusados de compra de voto

Julia Duailibi e Ricardo Rodrigues, de O Estado de S.Paulo,

09 de maio de 2011 | 00h01

SÃO PAULO E MACEIÓ - Indiciados pela Polícia Federal (PF) pelo desvio de R$ 300 milhões e políticos acusados de compra de votos estão entre os parlamentares cortejados pelo prefeito paulistano, Gilberto Kassab, para fazer parte do novo partido que pretende fundar, o PSD.

 

Em viagem para Alagoas e Piauí no final de semana, Kassab participou de reuniões com lideranças locais com interesse em migrar para o PSD que respondem a processos na Justiça e ou são alvo de inquérito da PF.

 

Investigados pela Operação Taturana em 2007, o ex-deputado estadual Celso Luiz (PMN), que chegou a ser preso, e o deputado estadual Isnaldo Bulhões (PDT) participaram no sábado de uma reunião com o prefeito num hotel na orla de Maceió.

 

Os dois foram indiciados pela Polícia Federal em ação que investigou esquema de desvio de recursos da folha de pagamento de servidores da Assembleia de Alagoas durante cinco anos.

 

O PMN, de Celso Luiz, é um dos partidos mais assediados pelo prefeito paulistano. O ex-deputado foi presidente da Assembleia alagoana e em 2006 concorreu a vice-governador na chapa encabeçada pelo hoje deputado João Lyra, atual articulador do PSD no Estado e o homem mais rico da Câmara dos Deputados.

 

Piauí. O prefeito também passou por Teresina, onde se encontrou com outros parlamentares com pretensões de migrar para o PSD. Um dos que anunciaram a entrada no partido, José Ferreira de Souza, vereador da Câmara Municipal de Teresina, foi denunciado pelo Ministério Público por abuso de poder econômico e corrupção eleitoral na eleição de 2004. Em 2008, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) cassou o mandato do vereador. O parlamentar, que deixará o PSDB, foi recepcionar o prefeito no aeroporto de Teresina.

 

O prefeito de Teresina, Elmano Ferrer (PTB), também encontrou Kassab e discutiu com o prefeito alianças na eleição de 2012.

 

No dia 28 de abril, Ferrer teve o mandato cassado pela Justiça sob acusação de abuso de poder político e econômico. O Ministério Público o acusou de ter se beneficiado da contratação de 170 servidores na eleição de 2008, quando era candidato a vice-prefeito. Ferrer recorreu da decisão e manteve-se no cargo.

 

O principal articulador do PSD no Piauí, deputado Julio Cesar Lima, tem uma empresa que foi alvo de inquérito policial, em 2007, para apurar possível crime de desvio de recursos públicos oriundos da Sudene. O Ministério Público Federal, no Estado, pediu o arquivamento da investigação, que foi para o Supremo Tribunal Federal, já que o parlamentar tem foro privilegiado.

 

"Todos os projetos da Sudene foram investigados, mas no meu não foi apurada nenhuma irregularidade. Foi uma medida geral", afirmou Lima. "Nunca teve nada contra mim", completou.

 

No encontro em Alagoas, Kassab afirmou que quer atrair o maior número de aliados, para que a sigla esteja forte em 2012.

 

A assessoria de Kassab foi procurada para comentar sobre as articulações, mas não retornou as ligações.

 

Colaborou Luciano Coelho, especial para O Estado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.