Nilton Fukuda/AE - 18.08.2011
Nilton Fukuda/AE - 18.08.2011

Kassab concede Medalha 25 de Janeiro a Dilma, FHC e Alckmin

No momento em que busca alianças com petistas e tucanos, prefeito anuncia honrarias concedidas anualmente no aniversário da capital paulista

Gustavo Uribe e Daiene Cardoso, da Agência Estado

13 de janeiro de 2012 | 18h31

SÃO PAULO - Na tentativa de agradar petistas e tucanos, o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, decidiu homenagear durante as comemorações do 458º aniversário da capital paulista a presidente Dilma Rousseff e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, com a Medalha 25 de Janeiro. A honraria, entregue no ano passado ao ex-vice-presidente José Alencar, é concedida anualmente a personalidades em reconhecimento ao mérito pessoal e a bons serviços prestados à cidade. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que não pode receber a medalha no ano passado porque estava no exterior, participará da cerimônia deste ano.

As medalhas serão entregues em um momento em que o prefeito flerta com o PT e com o PSDB para a formação de uma aliança com o PSD à sucessão municipal. Na semana passada, Kassab teria oferecido ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a indicação de um candidato a vice na chapa do pré-candidato petista Fernando Haddad em uma eventual dobradinha entre PT e PSD.

O aceno político gerou desconfiança entre lideranças tanto do PT como do PSDB, que avaliaram o movimento político como uma estratégia do PSD para pressionar os tucanos por uma definição em torno de uma aliança. Em troca do apoio à reeleição de Alckmin, em 2014, o prefeito vislumbra a composição de uma dobradinha entre PSDB e PSD à Prefeitura de São Paulo, aliança que teria como cabeça de chapa o vice-governador de São Paulo, Guilherme Afif Domingos (PSD).

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-governador de São Paulo José Serra foram homenageados com a medalha em 2010, criada por decreto municipal em dezembro de 2009. A solenidade de entrega da honraria ocorrerá no Hall Monumental da Prefeitura no dia 25, às 12 horas, após tradicional missa na Catedral da Sé, na região central da capital paulista, às 9 horas. O Palácio do Planalto ainda não confirmou a presença da presidente Dilma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.