Kassab compara Serra a Pelé e chama governador de 'maestro'

Elogios do prefeito ao governador de São Paulo, seu padrinho político, foram feitos durante cerimônia de posse

Carolina Freitas, da Agência Estado,

01 de janeiro de 2009 | 18h40

Em discurso realizado nesta quinta-feira, 1º, na sede da Prefeitura, na cerimônia que marcou o início oficial de seu segundo mandato, o democrata Gilberto Kassab prometeu uma gestão de continuidade. Além disso, reafirmou o compromisso de manter os investimentos em saúde, educação e transporte público, a despeito da crise financeira internacional. Ao lado de seu padrinho político, o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), a quem classificou de "maestro", o prefeito afirmou: "Neste segundo mandato seremos o mesmo governo, com o mesmo plano de governo revigorado por nossos desafios." Veja também:Kassab toma posse na Câmara e elogia 'oposição responsável' Geografia do voto: Mapa do desempenho dos partidos  'Orçamento é uma peça de ficção', diz Eduardo PaesPrefeita do DEM busca apoio de Palocci e do PT em Ribeirão  'Serra é um homem mais preparado para o posto', diz Richa Ciro sempre esteve muito perto do PSDB de Minas, diz Lacerda 'Maneira de ajudar é fazer uma boa gestão', diz João da Costa Kassab usou uma metáfora fubebolística para falar sobre a "presença" de Serra em sua administração, mesmo após o tucano ter deixado o cargo de prefeito para assumir o governo estadual. O democrata comparou a sua gestão com a seleção brasileira dos tempos do craque Pelé, citando que após a saída do jogador, a seleção continuou com a "mesma espinha dorsal". E aproveitou a ocasião para alfinetar a ex-prefeita Marta Suplicy (PT), sua maior adversária nas eleições. Ele relembrou a situação financeira do município no final do mandato da petista e citou como exemplo o suposto calote nos credores. No discurso da solenidade de início da nova gestão, o prefeito devolveu uma outra crítica feita pela petista Marta durante a campanha eleitoral, relacionada ao elevado volume de recursos no caixa da Prefeitura. Em resposta, Kassab disse que essa reserva de recursos será útil para enfrentar os efeitos da crise financeira global. "Nossos adversários nos censuraram por ter dinheiro em caixa. Falaram como a cigarra, debochando das formigas que trabalham", disse, emendando: "Fomos prudentes. Somos prudentes." A cerimônia na Prefeitura foi bastante concorrida, com a presença estimada de 2,5 mil convidados, segundo dados da assessoria de imprensa do executivo municipal, dentre eles, autoridades das várias esferas de poder e políticos, sobretudo do Democratas, PSDB e PMDB.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.