Kassab arrecada R$2,65 mi, três vezes mais que Marta

Contas parciais de Alckmin foram as últimas a chegar à Justiça Eleitoral e por isso não foram computadas

Felipe Recondo, de O Estado de S.Paulo

12 de agosto de 2008 | 18h14

Na corrida pela arrecadação de recursos para a campanha eleitoral, o atual prefeito de São Paulo e candidato à reeleição, Gilberto Kassab saiu disparado à frente dos adversários. Na prestação de contas parcial encaminhada à Justiça Eleitoral, Kassab diz ter arrecadado R$ 2,65 milhões em doações até o momento, três vezes mais do que os R$ 785 mil declarados pela candidata do PT, Marta Suplicy .  As contas parciais do candidato Geraldo Alckmin (PSDB) foram as últimas a chegar à Justiça Eleitoral. Por isso não foram processadas a tempo de serem divulgadas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O candidato do PP e ex-prefeito da cidade, Paulo Maluf, declarou ter recebido apenas R$ 2.619,90, sendo R$ 645 de dinheiro próprio e outros R$ 1.700,00 doados por pessoas físicas.  A candidata do PPS, Soninha Francine, declarou ter recebido R$ 85 mil, a maior parte - R$ 52 mil - de doações feitas por pessoas físicas. Ivan Valente, do PSOL, arrecadou R$ 64 mil. Levy Fidelix (PRTB) declarou ter recebido R$ 6.026,97. A maior parte das doações a Kassab - R$ 2,3 milhões - partiu de candidatos que disputam cargos em outras cidades e de comitês financeiros de outras campanhas.Na disputa por doações de pessoas jurídicas, Kassab e Marta estão quase empatados. O candidato do DEM recebeu R$ 340 mil de empresas; Marta, 330 mil.  Gastos Do lado das despesas, Kassab também ficou a frente de Marta. Conforme declarado à Justiça Eleitoral, o candidato do DEM gastou R$ 617,9 mil. Mais da metade desse valor, R$ 380 mil, foi declarado como "serviços prestados por terceiros". Marta declarou ter usado R$ 251,5 mil do total arrecadado neste início de campanha, sendo metade desse valor despesa com pessoal. Nessa rubrica, Kassab declarou não ter feito gastos. Os dois estão ainda longe de gastar o que previam no início da campanha. De acordo com previsão oficial feita à Justiça Eleitoral, Kassab declarou que gastaria até R$ 30 milhões. Marta previa despesas de 25 milhões.  Nessa prestação de contas parcial, os candidatos não são obrigados pela legislação eleitoral a identificar os doadores. Essas informações constarão apenas da prestação de contas final, que deve ser entregue à Justiça Eleitoral até o dia 4 de novembro - 30 dias depois do primeiro turno.  Caso haja segundo turno, os candidatos que permanecerem na disputa deverão encaminhar aos tribunais eleitorais, também no prazo de 30 dias, a prestação final das contas.  No próximo dia 6, os candidatos deverão encaminhar uma nova prestação parcial de contas à Justiça Eleitoral.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.