Juventude tucana quer investigar UNE

A Social Democracia Estudantil (SDE) vai pedir ao Ministério Público Estadual que abra inquérito para investigar as contas da União Nacional dos Estudantes (UNE). A juventude do PSDB acusa a diretoria da entidade de não prestar contas do dinheiro arrecadado com a venda das carteiras estudantis que dão direito à meia-entrada em eventos culturais. Pelos cálculos da SDE, que também defende uma CPI no Congresso para discutir o assunto, a UNE recebe R$ 12 milhões anualmente com as carteirinhas. O presidente da UNE, Felipe Maia, diz que a quantia é bem menor: R$ 1,9 milhão.Em entrevista ao Estado, em outubro, o ministro da Educação, Paulo Renato Souza, criticava a falta de transparência da UNE, e dizia ter conhecimento de que a entidade arrecadava R$ 15 milhões por ano. Paulo Renato viajou a São Paulo e não foi encontrado para comentar o assunto.Ligado ao PCdoB e recém-empossado na presidência, Maia garante que não se opõe a submeter as contas da entidade à auditoria externa, mas acusa o PSDB de tentar desviar o foco das denúncias de corrupção contra o governo Fernando Henrique Cardoso. "Existem 22 denúncias contra FHC. Eles usam esses meninos do PSDB para tirar o foco da CPI da Corrupção, e atacam indiscriminadamente uma entidade que é transparente", afirma Maia, cujo grupo político domina a UNE há 11 anos. O coordenador nacional da SDE, Pedro Trengrouse, diz que a entidade está exigindo que os deputados protejam um direito garantido pelo Estado. "Estão usando indevidamente o dinheiro das carteirinhas para aparelhar um partido político. O Estado tem o dever de zelar pelo direito que ele garante", afirma Trengrouse, estudante de direito da PUC-RJ. A representação ao Ministério Público é uma tentativa de dinamizar o processo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.