Juventude do PSDB acusa grupo ligado a Doria de atacar Alckmin

Em plenária da J-PSDB neste sábado, 16, prefeito foi cobrado por ação 'anti-Alckmin' de aliados

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

18 Setembro 2017 | 05h00

A disputa velada entre o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e o prefeito da capital, João Doria, pela vaga do PSDB na disputa presidencial de 2018 se tornou um confronto aberto na juventude tucana. O J-PSDB acusa a organização Conexão 45, que é ligada ao prefeito, de atacar Alckmin e outros quadros tucanos nas redes sociais e no WhatsApp.

Em plenária da J-PSDB realizada neste sábado, 16, na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), o grupo recebeu Doria e se queixou ao prefeito. “Estão fazendo calúnias contra o senador José Serra, contra o ministro Alexandre de Moraes e contra o governador Geraldo Alckmin, tudo em nome do senhor”, disse Lucas Sorrilo, um dos dirigentes da J-PSDB. 

No entorno do prefeito, a avaliação é de que os dois grupos aproveitam a disputa entre Doria e Alckmin por 2018 para se “cacifar politicamente”. Além de Doria, o ex-senador José Aníbal, presidente do Instituto Teotônio Vilela, também estava na mesa principal da plenária. 

A J-PSDB também disse, no evento, que militantes da Conexão 45 têm coagido tucanos com cargos na Prefeitura a apoiar a pré-candidatura presidencial de Doria. “Eles fazem pressão na capital. Dizem que, para estar na Prefeitura, tem de ser do time Doria”, afirmou Sorrilo.

Em sua fala, Doria exaltou Alckmin. “Desautorizo qualquer manifestação em relação ao Geraldo Alckmin. Tenho sido um guardião zeloso dessa relação”, afirmou. “É péssimo estimular qualquer disputa dessa natureza. Uma bobagem. Não faz o menor sentido. É uma coisa intestina, ao contrário do que almeja o partido”, disse Aníbal antes de sair da plenária. 

‘Mentira’. O prefeito disse ao Estado que, após ouvir a denúncia na plenária, telefonou para Luiz Oliveira, presidente do Conexão 45, e ouviu dele que as acusações são mentirosas. Doria reiterou então que “não endossa e não apoia” nenhuma iniciativa contra Alckmin “nem sutilmente”. 

Ao Estado, Oliveira afirmou que estuda processar Sorrilo por calúnia. “Esse grupo que está na J-PSDB apoiou Marta Suplicy e Andrea Matarazzo na disputa pela Prefeitura de São Paulo. A gente defende o João, mas sem atacar o Geraldo”, afirmou o militante.

No mesmo dia da reunião da J-PSDB, que reuniu cerca de 50 pessoas na Alesp, a Conexão 45 realizou uma plenária em uma universidade com mais de 200 pessoas. Doria foi saudado como presidente e recebido com o Tema da Vitória de Ayrton Senna. “É extremamente legítimo o grupo apoiar um candidato a presidente”, disse o prefeito regional de Pinheiros, Paulo Mathias.

Além de integrar o Conexão 45, ele “se filiou” recentemente ao Movimento Brasil Livre (MBL), grupo que surgiu durante o impeachment de Dilma Rousseff e hoje atua como linha auxiliar de Doria nas redes sociais. A aproximação do PSDB com o MBL também é criticada pela J-PSDB.

A atual direção da juventude tucana é dominada por uma corrente chamada Ação Popular, que se apresenta como “progressista”. A AP e a Conexão 45 disputam o comando da J-PSDB paulista, que realizará uma convenção no dia 11 de novembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.