Jutahy admite recuo e PSDB deve apoiar Fruet

O líder do PSDB na Câmara, deputado Jutahy Junior (BA), admitiu, na noite de terça-feira, que o partido deve apoiar formalmente o deputado tucano Gustavo Fruet (PR) na eleição pela presidência da Casa. Fruet foi lançado na disputa pelo grupo da chamada terceira via e deve reverter o prometido apoio da bancada tucana ao candidato petista Arlindo Chinaglia (SP)."Trata-se de um fato novo, de um nome do nosso partido, queridíssimo pelos colegas e respeitado pela sociedade", disse Jutahy. "Ele não era candidato quando decidimos apoiar Chinaglia e a bancada pode sim rever a decisão".A nova candidatura abalou o favoritismo obtido por Chinaglia nos últimos dias e deu sobrevida ao presidente da Cânmara, Aldo Rebelo (PCdoB-SP), que disputa a reeleição. O lançamento de Fruet deve ainda aumentar a pressão dos partidos aliados por uma definição clara do presidente Luiz Inácio Lula da Silva entre o petista e Aldo Rebelo. Lula receberá nesta quarta o governador de Alagoas, Teotônio Vilela, que, embora tucano, foi colega de universidade e é amigo do alagoano Aldo. Também estará em Brasília o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, do PSB, que se juntou ao PCdoB contra o candidato do PT.O crescimento de um terceiro nome, para disputar com Aldo ou Chinaglia uma rodada final, sempre foi a maior preocupação do Palácio do Planalto, conforme tem repetido o ministro das Relações Institucionais, Tarso Genro.Fruet já começou a buscar outros partidos, na expectativa de formar uma base de pelo menos cem deputados (um quinto da Câmara). Ele espera um sinal positivo do PPS e vai procurar nesta quarta o PFL, que está com Aldo."Vou conversar com o líder Rodrigo Maia, com o deputado José Carlos Aleluia (líder da minoria) e com o presidente Jorge Bornhausen para apresentar meu nome, mesmo respeitando a conhecida posição do PFL", disse Fruet. O PDT ainda está aberto e também será procurado pelo candidato tucano. "Minha candidatura só vai existir de fato depois da reunião da bancada do PSDB, na próxima terça. Até lá, posso conversar com todos e construir a possibilidade real de chegar ao segundo turno", calculou Fruet. Sem compromissosO deputado disse que não firmará compromissos com nenhum dos candidatos para o segundo turno, mas reconheceu que Aldo, principalmente, espera receber esse apoio, caso a disputa seja entre os dois nomes da base aliada. "O objetivo agora é unificar o partido, somar outras forças e firmar nossa alternativa", disse Fruet. "Segundo turno se discute quando for uma realidade". O parlamentar disse ter recebido o apoio de todos os caciques tucanos que consultou logo após a indicação: o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, os governadores José Serra (SP), Aécio Neves (MG), Yeda Crusius (RS) e Cássio Cunha Lima (PB) e o ex-governador Marconi Perillo (GO), entre outros.Ele acertou também com Jutahy Junior um discurso de "unidade partidária", para superar o racha provocado pelo apoio do líder a Chinaglia, anunciado na quinta-feira da semana passada. Jutahy foi bombardeado pelos tucanos adversários do acordo com o PT.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.