Justiça social não pode ser esquecida na reforma, diz Alckmin

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), disse hoje que eventuais mudanças na proposta da reforma da Previdência não podem desviar os objetivos principais do projeto: fazer justiça social e garantir o pagamento de benefícios nos próximos anos. "São os grandes objetivos que não podem ser abandonados", observou ele. "Temos que ter consciência de que essa é uma questão que extrapola os nossos mandatos. Estamos falando do futuro, com o sentimento de responsabilidade", comentou."O que não podemos é abandonar uma proposta que é boa, que tem efeito de curto, médio e longo prazo. O problema chegou até onde chegou, e com essa gravidade, exatamente porque não foram tomadas medidas lá atrás", alertou ele.Alckmin afirmou que, apesar de não ter sido informado oficialmente sobre as possíveis mudanças, soube tudo pela imprensa e já montou um grupo de trabalho, coordenado pelo vice-governador Cláudio Lembo, para buscar detalhamentos junto ao governo federal. Também, segundo ele, para verificar as conseqüências para o Estado. "Temos de avaliar o impacto disso e saber se realmente aperfeiçoa ou prejudica", disse o governador, acrescentando que, em princípio, não vê problema em eventuais ajustes.O Palácio do Planalto anunciou que estuda manter a aposentadoria integral dos servidores no mesmo valor do salário na ativa - para os atuais funcionários públicos. A sugestão dos líderes da base aliada no Congresso é manter a aposentadoria integral em troca do aumento de tempo mínimo de serviço público. O governador ressaltou a necessidade da realização da reforma, argumentando que o cálculo atuarial tem como objetivo evitar um crescimento explosivo do déficit da Previdência. "O que poderia levar no futuro ao não pagamento desses benefícios", exemplificou. Ele participou, no início da tarde de hoje, de assinatura de convênios com dez municípios paulistas para a realização de obras de Defesa Civil. No total, o governo paulista vai liberar R$ 733 mil para a construção de pontes, muros de arrimo e bueiros.

Agencia Estado,

10 de julho de 2003 | 13h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.