Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Justiça redistribui ação contra Cunha para Curitiba

Ex-deputados federais, Eduardo Cunha e Solange Almeida (ambos do PMDB-RJ) são acusados de corrupção passiva e lavagem de dinheiro por propinas pagas na compra de navios-sonda pela Petrobrás

Mariana Durão, O Estado de S.Paulo

30 de janeiro de 2017 | 15h35

RIO - A pedido do Ministério Público Federal (MPF), a Justiça redistribuiu para a 13ª Vara Federal de Curitiba o processo em que os ex-deputados federais Eduardo Cunha e Solange Almeida (ambos do PMDB-RJ) são acusados de corrupção passiva e lavagem de dinheiro por propinas pagas na compra de navios-sonda pela Petrobrás. A 13ª Vara Federal de Curitiba é base da Operação Lava Jato e do juiz Sérgio Moro.

No processo, Cunha responde à acusação de ter pedido cerca de US$40 milhões ao empresário Júlio Camargo para viabilizar a contratação do estaleiro sul-coreano Samsung Heavy Industries como fornecedor de dois navios-sondas à Petrobras. As sondas foram usadas pela estatal para a perfuração em águas profundas na África e no Golfo do México. A Petrobrás atua como assistente da acusação no caso.

Além da ex-deputada, Cunha contou com a participação do intermediário Fernando Soares, o Fernando Baiano, e do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró. Camargo, Soares e Cerveró já foram condenados pela 13ª Vara Federal de Curitiba pelos mesmos fatos.

Com o aval ao pedido da Procuradoria Regional da República da 2ª Região (PRR2), este será o segundo declínio de competência da ação, proposta ao Supremo Tribunal Federal (STF) porque Cunha era deputado federal. A denúncia foi recebida em março passado pelo STF.

Desde que o mandato de Cunha foi cassado, em setembro, a ação penal estava no Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2), devido ao foro por prerrogativa de função de Solange Almeida, então prefeita de Rio Bonito (RJ).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.